Falar de paz menorizando Cabinda

O Vice-Presidente da República, Bornito de Sousa, orienta, amanhã, em Cabinda, em representação do Chefe de Estado (não nominalmente eleito, tal como ele), o acto central alusivo ao 19º aniversário dos chamados Acordos de Paz que fizeram calar as armas e aumentar o número de pobres, hoje são 20 milhões. Em Novembro de 2017 o Presidente João Lourenço visitou Cabinda. A lata de assinalar este 4 de Abril em Cabinda não pode deixar de suscitar algumas reflexões pertinentes, sobretudo para quem procura de forma honesta e objectiva entender o problema…

Leia mais

Réquiem pelo 4 de Abril

João Lourenço, Presidente da República de Angola (não nominalmente eleito), igualmente Presidente do MPLA (partido no Poder há 45 anos) e Titular do Poder Executivo, considerou hoje que Angola “ressuscitou das cinzas para a vida” no dia 4 de Abril de 2002, data que o país registou o fim da guerra, sendo “obrigação de cada angolano proteger essa vida”. Ou seja, segundo João Lourenço, cabe a cada angolano fazer o que o primeiro presidente e herói nacional do MPLA, Agostinho Neto, não fez em 27 de Maio de 1977 quando…

Leia mais

Bitacaia no pé ou espinha na garganta?

O ex-chefe de Estado-Maior General das Forças Armadas Angolanas (CEMGFAA), Francisco Pereira Furtado, considerou hoje estável a situação político-militar do país, apesar de ser necessário “solucionar um pequeno detalhe da província de Cabinda”. Francisco Pereira Furtado dissertou hoje sobre o tema “A Paz como Factor Imperativo para a Estabilidade e Desenvolvimento de Angola”, na abertura das jornadas patrióticas alusivas ao 4 de Abril, Dia da Paz e da Reconciliação Nacional, promovida pelo Estado-Maior General das Forças Armadas Angolanas. Em bom rigor factual registe-se o dia 4 de Abril (de 2002),…

Leia mais

Réquiem pelo 4 de Abril

O Folha 8 decidiu “decretar” o dia 4 de Abril como o seu “feriado” de reflexão. Reflectir é preciso. Para todos? Não. Por alguma razão em 2018 e 2019 esta data que assinala a Paz (no sentido apenas do calar das armas) e a Reconciliação Nacional não contou, em Angola, com a presença do mais alto magistrado do MPLA/Estado, João Lourenço. Em 2018, o Bureau Político do MPLA, partido no poder desde 1975, enalteceu a importância de José Eduardo dos Santos no alcance da paz em Angola, cujo 17º aniversário…

Leia mais