DESCULPAR O (IN)DESCULPÁVEL. DEUS AGRADECE O DIABO TAMBÉM

Evolução política “satisfatória” mas “muito aquém do expectável” em 20 anos de paz em Angola, diz Eugénio Costa Almeida. O Investigador luso-angolano garante que a resolução dos “problemas sociais continua a estar um pouco aquém” do desejado. “Naturalmente que houve evoluções políticas satisfatórias, mas que ainda assim estão muito aquém daquilo que era e seria expectável, até porque muitas das questões políticas que estão presentes hoje em dia não são dissociadas de problemas sociais”, destaca Eugénio Costa Almeida, investigador do Centro de Estudos Internacionais (CEI-IUL), do ISCTE-IUL e do Centro…

Leia mais

FICA A FALTAR UMA MOEDA EM HONRA DOS 20 MILHÕES DE POBRES

O Banco Nacional de Angola (BNA) vai emitir uma moeda metálica no valor de 200 kwanzas (0,28 euros) em comemoração ao vigésimo aniversário da paz em Angola, que se celebra em 4 de Abril de 2022. Ainda não foi desta que os 20 milhões de pobres vão ter direito a uma “homenagem”. Segundo o relatório de fundamentação da proposta de Lei que autoriza o BNA a emitir e pôr em circulação moeda comemorativa, a iniciativa visa “contribuir para a unidade e coesão nacional, promovendo a paz e a angolanidade, bem…

Leia mais

Falar de paz menorizando Cabinda

O Vice-Presidente da República, Bornito de Sousa, orienta, amanhã, em Cabinda, em representação do Chefe de Estado (não nominalmente eleito, tal como ele), o acto central alusivo ao 19º aniversário dos chamados Acordos de Paz que fizeram calar as armas e aumentar o número de pobres, hoje são 20 milhões. Em Novembro de 2017 o Presidente João Lourenço visitou Cabinda. A lata de assinalar este 4 de Abril em Cabinda não pode deixar de suscitar algumas reflexões pertinentes, sobretudo para quem procura de forma honesta e objectiva entender o problema…

Leia mais

Réquiem pelo 4 de Abril

João Lourenço, Presidente da República de Angola (não nominalmente eleito), igualmente Presidente do MPLA (partido no Poder há 45 anos) e Titular do Poder Executivo, considerou hoje que Angola “ressuscitou das cinzas para a vida” no dia 4 de Abril de 2002, data que o país registou o fim da guerra, sendo “obrigação de cada angolano proteger essa vida”. Ou seja, segundo João Lourenço, cabe a cada angolano fazer o que o primeiro presidente e herói nacional do MPLA, Agostinho Neto, não fez em 27 de Maio de 1977 quando…

Leia mais

Bitacaia no pé ou espinha na garganta?

O ex-chefe de Estado-Maior General das Forças Armadas Angolanas (CEMGFAA), Francisco Pereira Furtado, considerou hoje estável a situação político-militar do país, apesar de ser necessário “solucionar um pequeno detalhe da província de Cabinda”. Francisco Pereira Furtado dissertou hoje sobre o tema “A Paz como Factor Imperativo para a Estabilidade e Desenvolvimento de Angola”, na abertura das jornadas patrióticas alusivas ao 4 de Abril, Dia da Paz e da Reconciliação Nacional, promovida pelo Estado-Maior General das Forças Armadas Angolanas. Em bom rigor factual registe-se o dia 4 de Abril (de 2002),…

Leia mais

Réquiem pelo 4 de Abril

O Folha 8 decidiu “decretar” o dia 4 de Abril como o seu “feriado” de reflexão. Reflectir é preciso. Para todos? Não. Por alguma razão em 2018 e 2019 esta data que assinala a Paz (no sentido apenas do calar das armas) e a Reconciliação Nacional não contou, em Angola, com a presença do mais alto magistrado do MPLA/Estado, João Lourenço. Em 2018, o Bureau Político do MPLA, partido no poder desde 1975, enalteceu a importância de José Eduardo dos Santos no alcance da paz em Angola, cujo 17º aniversário…

Leia mais