Tudo pronto para o climax

O Presidente da República portuguesa, Marcelo Rebelo de Sousa, disse à agência Lusa que foi “uma opção intencional” sua passar o terceiro aniversário do mandato em Luanda, Angola, país onde já esteve mais de 20 vezes, desde 1966. Se a isso juntar o aniversário natalício do anfitrião e excluir qualquer referência ao país real (o tal dos 20 milhões de pobres), é o climax da bajulação. Nessas muitas viagens, Marcelo esteve pessoalmente com o anterior chefe de Estado angolano, José Eduardo dos Santos, com o líder histórico da UNITA, Jonas…

Leia mais

Independentes passaram
de bandoleiros a heróis?

O líder da Convergência Ampla de Salvação de Angola – Coligação Eleitoral (CASA-CE), Abel Chivukuvuvku, disse que os independentes são a essência da estrutura, queixando-se de uma tentativa de destruição interna. Falando na primeira reunião magna dos independentes da CASA-CE para discutir os desafios daquela força política, Abel Chivukuvuvku disse que a estrutura está a ser alvo de “uma máquina que está contra” a coligação. Em causa está um processo judicial interposto por cinco dos seis partidos que (eufemisticamente) compõem a coligação, que pediram uma clarificação sobre a gestão dos…

Leia mais

O umbigo dos dirigentes e
o futuro dos guineenses

O exercício político na Guiné-Bissau, infelizmente, tem sido caracterizado ao longo dos anos, por iniciativas e acções de lesa-pátria, de conveniência, de interesses escusos, sobretudo, por parte dos principais partidos políticos, que ajudaram a promover e a impulsionar a cultura da impunidade, da corrupção, do clientelismo, do servilismo, em suma, da prostituição política, de homens e mulheres, guineenses, quer dos designados “políticos combatentes da liberdade da pátria e seus herdeiros”; “políticos analfabetos ou carismáticos”; “políticos djilas ou empresários” e “políticos paraquedistas ou doutores”, que definem e caracterizam algumas categorias de…

Leia mais

Do que a corrupção gosta
é de planos e mais… planos

A organização não-governamental Associação Justiça, Paz e Democracia (APJD) pediu hoje a aprovação “urgente” de um Plano Nacional de Combate à Corrupção e Impunidade, que deve contar com o apoio de todos os agentes da sociedade. O pedido consta das conclusões da 3ª Conferência sobre Transparência, Corrupção, Boa Governação e Cidadania em Angola, concluídos que foram os trabalhos que decorreram no Auditório Cónego Manuel das Neves, em Luanda. O plano, refere-se nas conclusões, deve definir os princípios estruturantes a ser seguidos, objectivos concretos, metas a alcançar e com regras estruturais…

Leia mais

Tribunais são da Nação ou
são apenas filiais do MPLA?

O líder da Convergência Ampla de Salvação de Angola – Coligação Eleitoral (CASA-CE), Abel Chivukuvuku, lamenta que os tribunais angolanos façam “mais política do que jurisprudência”, o que pode retrair o interesse de investidores internacionais. Verdade dura e crua, apesar de velhinha e de ser parte integrante do partido que governa o país há 43 anos, o MPLA. Abel Chivukuvuku reagiu à recusa de formalização pelo Tribunal Constitucional do projecto de partido político Podemos Juntos por Angola (Podemos JÁ), constituído por independentes da CASA-CE, do qual frisou não fazer parte.…

Leia mais

A transigência como característica política

Como todos os povos, o angolano tem também as suas características que o fazem distinguir-se perante os outros, moldadas ao longo do tempo por diversos factores. As características podem ser positivas ou negativas, e em muitos casos a avaliação qualitativa é subjectiva. Por Sedrick de Carvalho Dentre as características positivas do angolano, algumas são referidas até em termos jocosos, como ser chamado de “um povo especial” pelo outrora presidente da República perante a sua capacidade de suportar todo o mal feito por um governo ao longo de décadas. Sendo transversais,…

Leia mais

Autarquias? Devagar, devagarinho até 2035

Os presidentes de Câmara e restantes órgãos autárquicos em Angola vão ser eleitos para mandatos de cinco anos, mas só nas quartas eleições, previsivelmente em 2035, é que o processo deverá estar concluído em todo o país. Em causa está o princípio do gradualismo na implementação das autarquias, defendido pelo Governo e que está plasmado no pacote autárquico em consulta pública até 31 de Julho, com vista à realização das primeiras eleições locais em Angola em 2020. De acordo com a proposta de Lei de Organização e Funcionamento das Autarquias…

Leia mais

Apunhalado pelas costas

O presidente da coligação angolana CASA-CE afirmou hoje que está em curso uma “trama” para o tentar afastar da liderança da terceira maior força política da oposição, após uma queixa em tribunal de alegado desvio de verbas. Novidade? Nem por isso. Abel Chivukuvuku preferiu, sobretudo nos últimos tempos, ser assassinado pelo elogio do que salvo pela crítica. O resultado está à vista. A posição do líder da Convergência Ampla de Salvação de Angola – Coligação Eleitoral (CASA-CE) foi assumida em conferência de imprensa realizada hoje, em Luanda, na sequência daquilo…

Leia mais

CASA-CE à beira da falência
e “sócios” só querem massa

Pergunte-se aos angolanos com direito de voto se sabem o que são o PPA, PNSA, PADDA-AP, PALMA, BD e PDP-ANA. Residualmente alguns saberão, embora poucos tenham ouvido falar. Todos saberão, contudo, o que é a CASA-CE e mais serão os que sabem quem é Abel Chivukuvuku. Aliás, falar da CASA-CE é falar essencialmente de Abel Chivukuvuku. Quem são Felé António, Sikonda Lulendo Alexandre, Alexandre Sebastião André, Manuel Fernandes, Justino Pinto de Andrade, Simão Macasso? Ninguém sabe. São, contudo, dirigentes dos tais partidos, ou agremiações pouco mais do que familiares, que…

Leia mais

“Podemos-JÁ” quer dar voz
aos independentes da CASA

A política está ao rubro depois das eleições gerais de Agosto com a intenção de novos e velhos actores trazerem à ribalta novas formações político-partidárias. Nos bastidores e numa passada larga, no seio da coligação CASA-CE está a emergir um novo ente jurídico partidário, visando enquadrar todos quantos não se revêm nos seus partidos constitutivos. O Podemos-JÁ (Juntos por Angola) será a nova formação política, caso consiga reunir as assinaturas suficientes, para a sua legalização, junto do Tribunal Constitucional, que aglutinará os denominados independentes. O novo partido político visa colmatar…

Leia mais