Vergonha procura-se!

Num país de 30 milhões de habitantes e que tem 20 milhões de pobres, é caricato e ultrajante ver a primeira-dama da Reino, Ana Dias Lourenço, defender a necessidade dos cidadãos investirem mais o seu tempo e recursos no aumento dos níveis de literacia financeira. Soubesse a esposa do Presidente da República o que é ser gerado com fome, nascer com fome e morrer com fome e estaria caladinha. Por Orlando Castro (*) Ao discursar na abertura da 2ª Feira do Investidor, promovida pela Comissão de Mercado de Capitais (CMC),…

Leia mais

Entre a “sexta básica” financeira e a “cesta básica” educacional

O Ministério da Educação e a Agência Angolana de Regulação e Supervisão de Seguros (ARSEG) assinaram hoje, em Luanda, um protocolo de cooperação para a introdução de conteúdos de educação financeira no sistema de ensino angolano, a partir de 2022. E para quando a introdução de conteúdos sobre como escrever (mais ou menos) bem a língua portuguesa? Não basta ser general, ou ter um diploma da Universidade Agostinho Neto, para saber quando deve dizer “houver” e não “haver”, ou “cesta básica” e não “sexta básica”… Estabelecer as premissas para inserção…

Leia mais