Um patife oportunista

A notícia da morte do Cidadão do Mundo Eduardo Nascimento despertou em mim memórias muito especiais. Naquele ano de 1967 estava em Portugal, mais concretamente na cidade do Porto, e assisti em directo na RTP quer à sua vitória no Festival RTP da Canção, quer posteriormente à sua participação no Festival da Canção da Eurovisão, com a canção “O vento mudou”. Por Carlos Pinho S e bem que hoje em dia a vitória do Eduardo Nascimento no Festival RTP da Canção seja comentada e interpretada como uma grande referência histórica,…

Leia mais

O hino, o MPLA e a PIDE

A proposta de letra para o Hino Nacional, elaborada por Eduardo do Nascimento, em 1975, foi rejeitada, por unanimidade, pelo Bureau Político do MPLA, porque o autor foi considerado um “colaborador da PIDE”, afirma o antigo primeiro-ministro Lopo do Nascimento. E então, por exemplo, Manuel Pedro Pacavira? Lopo do Nascimento reagia a uma notícia publicada no Jornal de Angola, no dia 25 de Novembro, na qual João Gonçalves destacava a figura de Eduardo Nascimento como um “patriota” que “fez o primeiro esboço para o Hino Nacional”, que só não veio…

Leia mais

MPLA põe, impõe e dispõe.
Sipaios veneram o patrão

A lei que estabelece a deferência do uso da bandeira nacional, insígnia e hino nacional de Angola (leia-se do MPLA) foi hoje aprovada pelo Parlamento, com 131 votos favoráveis do MPLA e de parte da oposição constituída pelos sipaios do MPLA, contando ainda com 56 abstenções dos sipaios assimilados da UNITA. A proposta do Governo angolano foi aprovada durante a terceira reunião plenária extraordinária da 1.ª sessão legislativa da quarta legislatura da Assembleia Nacional e visa, entre outras, “promover o conhecimento massivo, o respeito e a utilização uniforme dos símbolos…

Leia mais

Chefe do posto “pagou”
e os sipaios cumpriram

A Assembleia Nacional da Angola do MPLA aprovou, na generalidade, uma proposta de lei para promover o conhecimento, a valorização e a utilização dos símbolos nacionais… todos do MPLA, que teve o voto contra do grupo parlamentar da UNITA, tendo os “sipaios” da CASA-CE, PRS e FNLA votado a favor, tal como o “chefe do posto”, o MPLA. Trata-se da Proposta de Lei que Estabelece as Especificações Técnicas e as Disposições sobre a Deferência e Uso da Bandeira Nacional e da Insígnia e do Hino Nacional, tudo símbolos feitos à…

Leia mais

Dei comigo a pensar…

Deve ser estranho viver num país (Angola) que exibe uma bandeira praticamente igual à bandeira de um partido, o MPLA. Sai a catana, entra a estrela. Ora, o estandarte de uma nação constitui um dos elementos que ajuda a enformar o espírito de nacionalidade, de fusão à terra. Mas não de pertença a um partido. O seu significado deve conter o sangue dos heróis (e não apenas os do MPLA), a marca genética (dos angolanos) e a esperança no futuro (de todos). Um dia o estandarte de Angola terá de…

Leia mais

Avante Angola… para trás

Um dia destes estivemos a reler, com bastante atenção, separando a emoção, o hino Angola Avante. A letra pela qual o Manuel Rui sente tanto orgulho, para além de estar completamente ultrapassada, em termos da realidade angolana, é, poeticamente, muito pouco rica, para não dizer pobre. Por Domingos Kambunji Não é de admirar o fraco valor poético. A ideologia sobrepõe-se à poesia e, quando assim é, a poda passa de moda. A maioria dos hinos nacionais em todo o mundo apelam à guerra e ao sangue, quando os dirigente políticos…

Leia mais

Re(i)pública do MPLA

O MPLA e a sua liderança, enquistada nos ensinamentos perenes e nobres dos tempos de partido único (que saudades, não é Presidente Eduardo dos Santos?), engravidada pelas não menos nobres qualidades da ditadura, continua a mostrar que se está nas tintas para a democracia, para os direitos fundamentais dos povos, para o Estado de Direito. E tem razão. Por Orlando Castro A democracia foi, segundo o presidente não eleito nominalmente e no poder há 36 anos, imposta. E para derrotar tudo o que é imposto, dizem que a luta continua…

Leia mais

Nação ou reino do MPLA?

Nação ou reino do MPLA? - Folha 8

O MPLA e a sua liderança, enquistada nos ensinamentos perenes e nobres dos tempos de partido único, engravidada pelas não menos nobres qualidades da ditadura, continua a mostrar que se está nas tintas para a democracia. E tem razão. Por Orlando Castro A democracia foi, segundo o seu presidente, imposta. E para derrotar tudo o que é imposto, dizem que a luta continua e a que a vitória é certa. E essa luta faz-se contra um Povo que, consideram, por ser ignorante continua a não perceber que o MPLA é…

Leia mais