Uau! Táctico-policiais…

O ministro do Interior angolano, Eugénio Laborinho, disse hoje, em Luanda, que, nos últimos dois anos, o país registou incidentes “táctico-policiais” que “lamentavelmente”, alguns terminaram em mortes de cidadãos e polícias. Não terão sido incidentes “psico-umbilicais”? Ou, quiçá, “tácticos-orgiásticos”? Eugénio Laborinho, que discursava na abertura da Conferência Científica (?) sobre o perfil do agente e o uso da força policial, promovido pelo Instituto Superior de Ciências Policiais e Criminais, não avançou números. Nem era preciso. A dialéctica do ministro saciou qualquer dúvida. O governante angolano frisou que esta constatação obriga…

Leia mais

A Angola sonhada virou pesadelo

Parece que os jovens angolanos que há dias se concentraram no exterior da Embaixada de Angola em Lisboa, finalmente constataram o óbvio. Ou talvez não! Esta Angola foi e é a Angola sonhada pelo primeiro Presidente do País, António Agostinho Neto, mesmo que os habituais defensores do herói nacional jurem a pé juntos que não. Por Carlos Pinho (*) Basta olhar para o que foi o percurso do António Agostinho Neto, as suas jogadas de bastidores, as perseguições aos seus adversários políticos e oponentes que acabaram com a morte de…

Leia mais

O regresso das hóstias

O ministro de Estado e chefe da Casa de Segurança do Presidente da República, general Pedro Sebastião, reafirmou hoje, em Luanda, que nada deverá justificar excessos cometidos por polícias contra cidadãos na aplicação das medidas do estado de emergência. É caso para perguntar: acabaram os rebuçados e os chocolates do ministro e general Eugénio Laborinho? Foram substituídos por hóstias? O general Pedro Sebastião falava hoje na Assembleia Nacional, que aprovou, por unanimidade, o terceiro pedido do Presidente João Lourenço de prorrogação do estado de emergência, decretado pela primeira vez a…

Leia mais

Nem os caixotes de lixo
vão escapar à vigilância

A capital angolana tem a partir de hoje um Centro Electrónico de Segurança Pública (CESP), com um sistema de videovigilância de mais de 200 câmaras, para reforçar a segurança pública, que foi inaugurado pelo ministro do Interior. Os angolanos que, ilegalmente, se abastecem nos caixotes de lixo que tenham cuidado… A primeira fase da infra-estrutura, que dispõe de 89,4 quilómetros de fibra óptica e 244 câmaras, sendo 194 instaladas em 50 pontos de Luanda, localizada no município do Kilamba Kiaxi, foi inaugurada hoje por Eugénio Laborinho, desconhecendo-se que a cerimónia…

Leia mais

Primeiro mata-se…

Veja o vídeo em que o nosso Director, William Tonet, analisa e desmascara a prepotência das autoridades. O ministro do Interior, Eugénio Laborinho, avisou que a polícia angolana não ia “distribuir chocolates e rebuçados” perante os actos de suposta desobediência ao estado de emergência. Um menino de 16 anos já foi morto a tiro e outros ficaram feridos. “E stamos a aplicar multas, estamos a deter pessoas”, indicou o ministro que em 1973, com 18 anos, fez o curso de professores do Posto e aos 23 já era 1º tenente…

Leia mais

Não haverá chocolates e rebuçados para ninguém

O ministro do Interior, Eugénio Laborinho (que em 1973, com 18 anos, fez o curso de professores do Posto), avisou hoje que a polícia angolana vai reagir de forma adequada ao comportamento dos cidadãos, mas não vai “distribuir chocolates e rebuçados” perante os actos de desobediência ao estado de emergência. Como em Cabinda, ou Benguela, polícias e militares vão distribuir porrada e roubar os bens dos populares. Eugénio Laborinho, que falava numa conferência de imprensa em Luanda, após a primeira semana de estado de emergência, decretado em Angola para (supostamente)…

Leia mais

Ele quer limpar “práticas indecorosas” do… MPLA

O ministro do Interior angolano, Eugénio César Laborinho, considera que as “práticas indecorosas” atribuídas ao Serviço de Migração e Estrangeiros (SME) podem pôr em causa a segurança nacional, exigindo aos novos altos responsáveis do sector “dedicação, isenção e transparência”. A crítica é de um ministro do MPLA e os responsáveis do SME são do MPLA. Está lindo. Continua lindo este reino. “É importante que os membros ora empossados, compreendam que a lógica da administração pública, assenta na satisfação de interesse público e não na defesa de interesses escusos ou de…

Leia mais

João, Ângelo & Eugénio
(Trio Estrelas do Povo)

O ministro do Interior angolano e ex-governador de Cabinda, Eugénio Laborinho, admitiu hoje problemas no Serviço de Migração e Estrangeiros (SME), que estiveram na origem da exoneração da antiga administração, apontando o controlo de actos migratórios e obtenção ilegal de dividendos. Sendo, como se sabe, o ministro um especialista com provas dadas e doutorado na universidade do MPLA, a passagem de um atestado de incompetência ao anterior ministro, Ângelo Veiga Tavares, nada mais é do que o reflexo normal de um bordel de terceira categoria… O governante apontou dificuldades de…

Leia mais

(Eu)génio para toda a obra!

O ministro do Interior angolano, Eugénio César Laborinho, defendeu hoje a valorização dos licenciados em ciências criminais como forma de reforçar a capacidade de segurança pública e a estabilidade social. Mais uma descoberta digna de registo. Cada cavadela, cada minhoca. O governante, que falava na abertura oficial do primeiro curso de mestrado em Segurança Pública, no Instituto Superior de Ciências Policiais e Criminais (ISCPC) em Luanda, pediu aos 290 recém-licenciados a “aplicação de toda inteligência, conhecimento e experiência” nas acções quotidianas, para que “se eleve a capacidade de resposta às…

Leia mais

Presidente JLo premeia Labor(inho) dos néscios

O inquérito para apurar as causas do desabamento, em 2008, do edifício da investigação criminal, em Luanda, estava em 2015 em curso, mas a responsabilidade já então recaía na administração colonial portuguesa, por ter permitido a construção sobre um lençol de água. Brilhante. O veredicto foi de Eugénio Laborinho. Se a moda pega (e só não pega enquanto os índices de bajulação português tiverem como principais impulsionadores Marcelo Rebelo de Sousa e António Costa), e o regime está mobilizado para que pegue quando muito em entender, a administração colonial portuguesa…

Leia mais