Objectivo final da revisão Constitucional é aumentar o mandato de JLO

“A FRONTE PRAECIPITIUM, A TERGO LUPI” (provérbio latino: “Pela frente um precipício, por trás os lobos”). É preciso repor, urgentemente, a verdade histórica, para arejamento e harmonia mental entre os povos e micro-nações autóctones angolanos, desejosos da construção de um projecto-país, saído das entranhas, gemeres e sentires da geografia consensual. Angola enquanto ente jurídico nacional: país e internacional, concerto das nações: UA e ONU, nasceu, em 11 de Novembro de 1975, não como República, mas como “possessão partidocrata” do MPLA, baseada num egocentrismo ideológico espúrio, filosofia dos capitães de Abril,…

Leia mais

“Ninjas biométricos”, CVC
para os amigos (do MPLA)

O Governo do MPLA determinou a entrada em funcionamento, no reino de que é proprietário (Angola), dos Conselhos e Vigilância Comunitários (CVC), previstos na lei desde 2016, para auxiliar os órgãos de defesa e segurança no combate e prevenção da criminalidade. Na verdade, importa reconhecer, os CVC serão uma espécie de “ninjas biométricos” que também vão ajudar o milho a crescer e os laranjais a florescer. Analisando a proposta, um verdeiro Ovo de Colombo – segundo MPLA, verifica-se que o Presidente João Lourenço tinha toda a razão quando, no dia…

Leia mais

Quem com ferro mata…

O MPLA, partido/Estado no poder (e já lá está desde 1975, importa não esquecer) mostrou, mais uma vez, não ter blindagem – muito menos substrato – intelectual capaz de cunhar sinais de positividade por muito débeis que fossem, ao manter-se fiel a práticas antiquadas de tudo fazer, incluindo a fraude, para governar “ad eternum” Angola e os angolanos. Uma visão umbilical, cujo orgulho barroco não ultrapassando as próprias fronteiras ideológicas, não reservando mais do que um pequeno espaço, na estante dos fundos das bibliotecas, destino das obras e feitos dos…

Leia mais

A geometria de critérios do MPLA

O líder do maior partido que, aliás, está no poder desde 1975, é uma pessoa extremamente crítica quando se refere à governação do país, quase parecendo que, para além de líder do MPLA, não é também Titular do Poder Executivo e Presidente da República. Por A. Queirós Ribeiro A única ideia que retive das longas declarações que José Eduardo dos Santos manda os seus sipaios transmitir é que ele considera megalómanas as alternativas da Oposição. Aproveitando agora o tempo das vacas magras, Eduardo dos Santos, volta a jogar com a…

Leia mais