Está visto que não adianta chorar

No passado dia 15, Carlos Pinho publicou aqui um artigo de opinião intitulado “Está visto que não adianta chorar”. Um leitor, que “assina” como “Observador”, enviou-nos o comentário (publicado no mesmo dia) e que agora voltamos a dar à estampa para situar a resposta de Carlos Pinho. Eis o texto (ipsis verbis) do “Observador”: «Nao me interessa , so sei que em portugal so existe professores e engenheiros. Esta terra Angola a sua independencia foi golpeada e cobicada por portugueses do SAUDOSISTAS E SEQUELAS do Salazar , FASCISTAS e EXTREMISTAS…

Leia mais

Num tempo de escuridão

O Folha 8 existe desde 1995. Se lhe pedíssemos, caro leitor, um depoimento sobre o nosso trabalho, o que nos diria? Foi essa pergunta que foi colocada a algumas personalidades angolanas que vivem no país e na diáspora. Hoje publicamos a opinião de Carlos Pinho, um (como o próprio diz) ango-pula que é professor na FEUP – Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto. Por Carlos Pinho Num tempo de escuridão há sempre estrelas que brilham e por pequena que seja a constelação que elas formam, há sempre quem as…

Leia mais