Kwanza bate no fundo por obra e (des)graça do BNA

A consultora Economist Intelligence Unit considerou que a decisão do Banco Nacional de Angola (BNA) de retirar o limite de 2% à variação do kwanza foi o “gatilho provável” da forte depreciação da moeda em Outubro. “A retirada do limite de 2%, que terá acontecido no princípio de Setembro, foi o gatilho provável para a repentina depreciação do kwanza, e não um aumento da procura de importações nas vésperas do natal nem uma falta de dólares devido ao combate às actividades criminosas”, escrevem os peritos da unidade de análise económica…

Leia mais

Reservas líquidas caem
e estão ao nível de 2011

O gabinete de estudos do Banco Fomento Angola disse hoje que as reservas líquidas de Angola em moeda estrangeira caíram para 10,1 mil milhões de dólares, o valor mais baixo desde pelo menos 2011, ano em que começaram a ser feitas estas estatísticas. De acordo com o relatório semanal enviado aos investidores, os analistas do BFA sublinham que este valor, equivalente a 9,1 mil milhões de euros, “é o valor mais baixo desde pelo menos 2011, quando a actual série estatística começou”. No documento, o gabinete de estudos económicos do…

Leia mais

Poesia da crise. Inflação rima com desvalorização

A moeda angolana depreciou-se hoje ligeiramente para um mínimo histórico face à europeia, ao ser transaccionada oficialmente a 355,737 kwanzas/euro, “batendo” os 355,047 kwanzas/euro registados a 20 de Novembro de 2018, indica hoje o Banco Nacional de Angola (BNA). Segundo os dados do banco central, a moeda angolana, que se tem mantido estável nos últimos dois meses, variando entre os 350 e os 354 kwanzas/euro, continua com essa tendência, depois de, já este mês, ter oscilado entre os 352 (dia 4 de Janeiro) e 354 kwanzas/euro (dia 2). Desde 9…

Leia mais

Talvez um dia o alvo encontre a bala

O Banco Nacional de Angola (BNA) indicou hoje que vai disponibilizar este mês 700 milhões de dólares (610 milhões de euros) em moeda estrangeira aos bancos comerciais, mantendo a frequência diária de leilões de preços na venda de divisas. No primeiro comunicado de 2019, o BNA refere que a venda de divisas se destina também a garantir os “plafonds” para cartas de crédito, bem como a liquidação de cartas de crédito, ao atendimento às casas de câmbio e às operadoras de remessas. Após cada sessão, o BNA divulgará, no seu…

Leia mais

Ora então… kwanza
(já) perdeu quase 44%

A moeda angolana voltou a depreciar-se face à europeia pela segunda vez este mês, situando-se a taxa média de referência nos 329,537 kwanzas/euro, uma perda de 43,74% face a Janeiro deste ano, indica hoje um comunicado oficial. Segundo uma nota do Banco Nacional de Angola (BNA), o câmbio ficou definido no leilão de venda de divisas aos bancos comerciais realizado na quarta-feira, que permitiu colocar no mercado primário 30 milhões de euros para a cobertura de operações de natureza comercial e privada em posse da banca comercial e em conformidade…

Leia mais

Importar tudo para
produzir promessas

O Banco Nacional de Angola (BNA) disponibilizou hoje um novo “plafond” de 100 milhões de euros, em divisas, a 20 bancos comerciais, para abertura de cartas de crédito para importação, modelo preconizado pelo banco central angolano. Este montante foi distribuído em leilão, com o objectivo de “assegurar a importação de mercadorias diversas, priorizando a importação de matéria-prima”. O banco central angolano já tinha distribuído, a 26 de Junho, por 21 bancos, e também na forma de leilão, outros 100 milhões de euros, para abertura de cartas de crédito para importação.…

Leia mais

Reservas internacionais
em mínimos… históricos

As reservas internacionais angolanas renovaram em Dezembro mínimos históricos, caindo para 13.300 milhões de dólares (10.690 milhões de euros), uma quebra 6,6% face a Novembro e um rombo de 6.000 milhões de euros no espaço de um ano. A informação resulta de dados preliminares do Banco Nacional de Angola (BNA) sobre as Reservas Internacionais Líquidas (RIL), que no espaço de um mês perderam, em valor, mais de 945 milhões de dólares (760 milhões de euros). Estas reservas, que o BNA tem vendido aos bancos comerciais para garantir a importação de…

Leia mais

Nas nossas mãos, antes o Kwanza fixo, agora flutua

A alteração do regime cambial anunciado há cerca de duas semanas pelo Banco Nacional de Angola (BNA), impondo que doravante o valor da taxa de câmbio do Kwanza face às outras moedas será determinado pelas transacções que ocorrem em leilões de divisas no mercado primário, resultou no aumento significativo dos preços de alguns produtos da cesta básica na capital do país. Por Pedrowski Teca Em palavras miúdas, o BNA perdeu a pujança, transformando-se num verdadeiro “kínguila” no jogo da procura e da oferta de divisas, deixando que os ricos (referindo-se…

Leia mais

Kwanza: menos 16% face
ao euro e 10% face ao dólar

O kwanza angolano fechou hoje com uma depreciação total de 16% face ao euro, passando a moeda europeia a ser a referência para o mercado de câmbios de Angola, no âmbito do novo regime flutuante cambial em vigor. De acordo com a informação final do leilão de divisas realizado hoje pelo BNA, divulgado pelo banco central, foi colocado o montante de 83,6 milhões de euros em divisas, “montante integralmente absorvido” pelos bancos comerciais que participaram, tendo sido apurada uma taxa média ponderada de venda de 221,26 kwanzas por cada euro,…

Leia mais

Dólares só nas ruas e mesmo assim…

Comprar a nota de um dólar norte-americano nas ruas de Luanda atingiu o máximo histórico de 600 kwanzas, três vezes e meio a taxa de câmbio oficial, mas quem vende nunca viu o negócio “tão mal”. Esta realidade foi constatada hoje pela Lusa numa ronda pelo mercado informal das ruas da capital angolana, que face à ausência de divisas nos bancos se tornaram há mais de um ano na única forma para nacionais e estrangeiros acederem a dólares, mas a taxas nunca vistas. “O movimento cambial depende do dia. Mas…

Leia mais