Na rua (sem saída) da amargura desde 1975

O país anda às pantanas. Não é birra. É constatação. As portas das fábricas fecham, todos dias, até em Luanda, sede do Palácio Presidencial e, no resto do país, nem se imaginam as teias onde garbosamente as aranhas, desfilam por entre a ferrugem das maquinarias, antes imponentes, senhoras do desenvolvimento. Por William Tonet As empresas de serviços e não só, impotentes por lhes faltar tesão de resistência a ausência de pragmatismo económico do executivo, que se turva entre a constitucionalidade abjecta que exalta o ego individual, em detrimento de uma…

Leia mais