Sem dinheiro há mais de um ano

A Direcção do Instituto de Reintegração Socioprofissional dos Ex-militares (IRSEM) angolano queixou-se hoje que está “há mais de um ano sem dotação orçamental” e que as administrações municipais tomam decisões que “ferem o processo de reintegração” dos antigos militares. A preocupação foi manifestada em conferência de imprensa pelo director-geral do IRSEM, Jorge Gunji, referindo que a instituição que dirige está “desde Janeiro de 2020 até ao momento sem receber as dotações do Orçamento Geral do Estado (OGE) apesar de programadas”. “O IRSEM não recebeu nada em relação à reintegração dos…

Leia mais

Os ex-militares também
“sabem” viver sem comer

O Instituto de Reintegração Socioprofissional dos Ex-Militares (IRSM) angolano necessita de 108 milhões de euros para reintegrar mais de 117.000 ex-militares desmobilizados ao abrigo dos quatro acordos de paz assinados desde 1991, foi hoje anunciado. Lá vai o general Presidente estender a mão e sacar mais uns milhões… fiados. Ou, como até agora, vai assobiar para o lado? Segundo o director-geral do IRSM, Domingos Tchikanha, a instituição tem por reintegrar 80.000 ex-militares, cerca de 13.000 deficientes e 24.000 viúvas e órfãos de guerra, um processo “condicionado” (como convém repetir até…

Leia mais

Quanto não vale ser um país tão rico!

Quanto não vale ser um país tão rico! - Folha 8

Trinta e sete ex-militares das FAPLA (MPLA) e das FALA (UNITA), no município do Cuemba, 164 quilómetros a leste do Kuito, província do Bié, beneficiaram de uma ofertas especial, só possível num país rico como Angola. Cada um recebeu uma motorizada. A entrega de tão preciosos bens enquadra-se no âmbito do projecto do Instituto de Reintegração Social dos Ex-Militares (IRSEM) no Bié, que visa dar assistência aos ex-combatentes no país. José Jorge Cambinda (beneficiário) em nome dos demais louvou a iniciativa do governo que através do IRSEM está a resolver…

Leia mais