ANGOLA. A petrolífera estatal angolana Sonangol endividou-se no mercado internacional, nos últimos 10 anos, em 31.000 milhões de dólares (26.400 milhões de dólares), mas terminou 2017 com uma dívida de 4.900 milhões de dólares (4.180 milhões de euros).

A informação consta de um documento do Governo angolano disponibilizado este mês aos investidores, referindo que esses empréstimos foram obtidos pela Sociedade Nacional de Combustíveis de Angola (Sonangol) através de sindicatos bancários.

Entre os bancos que têm apoiado o financiamento do grupo petrolífero estatal angolano encontram-se o Credit Agricole Corporate and Investment Bank, o Standard Chartered Bank, o China Development Bank, o Industrial and Commercial Bank of China e o BNP Paribas, de acordo com a mesma documentação.

A informação aos investidores refere igualmente que a Sonangol contava em 31 de Dezembro de 2016 com uma dívida externa de 9.900 milhões de dólares (8.450 milhões de euros), valor que um ano depois desceu para 4.900 milhões de dólares (4.180 milhões de euros).

Em 2018, a administração da Sonangol, liderada desde Novembro último por Carlos Saturnino, após a exoneração de Isabel dos Santos, prevê captar mais 4.000 milhões de dólares (3.400 milhões de euros) em dívida a contrair junto dos bancos comerciais.

Historicamente, a política de endividamento da Sonangol baseou-se em fluxos de receitas dedicados decorrentes das vendas de petróleo bruto.

No entanto, recorda o documento, desde 2006 que os empréstimos pedidos pela Sonangol assumiram uma estrutura “tipicamente corporativa” e passaram a ser contraídos pela subsidiária Sonangol Finance Limited, suportados por contratos de compra e venda de créditos petrolíferos.

“Uma vez que o Governo estabeleceu uma política de não contrair empréstimos contra as suas futuras receitas de vendas de petróleo, a Sonangol descontinuou a sua antiga política de cobertura contra alterações nos preços do petróleo”, explica igualmente o documento governamental.

No final de 2016, a então presidente do conselho de administração da petrolífera, Isabel dos Santos, anunciou no processo de reestruturação em curso na Sonangol que foi detectado um “sobredimensionamento da estrutura” daquele grupo, com cerca de 22.000 pessoas ligadas ao universo da empresa, dos quais 8.000 colaboradores activos e mais de 1.100 colaboradores não activos – estes representando um custo anual superior a 40 milhões de dólares (37 milhões de euros).

Acresciam mais de 8.000 trabalhadores pertencentes a empresas de trabalho temporário.

Lusa

Partilhe este Artigo