ANGOLA. A companhia aérea de bandeira sul-africana SAA tem cerca de 850 milhões de rands (55 milhões de euros) retidos em Angola, verba que o Ministério das Finanças da África do Sul pretende ver regularizada pelo novo Governo angolano.

Os números são avançados hoje pela imprensa sul-africana, numa altura em que a SAA (South African Airlines) enfrenta uma forte crise financeira e necessita de uma injecção financeira de 10 mil milhões de rands (640 milhões de euros) de fundos públicos, a concretizar em Setembro.

De acordo com o Ministro das Finanças da África do Sul, Malusi Gigaba, os problemas financeiros da SAA resultam, entre outros, das “dívidas de alguns Governos”, relativas às operações locais e venda de bilhetes, que a SAA não consegue repatriar e que somam mil milhões de rands (65 milhões de euros).

“Estamos a tratar disso internamente. Também estamos envolvidos com os governos que nos devem, incluindo o Governo angolano, para o repatriamento do dinheiro que nos devem, para que possamos fechar essas contas”, disse o ministro, citado na edição de hoje do publicação sul-africana “Business Day”.

A redução no montante de divisas disponíveis levou Angola a atrasar vários pagamentos ao exterior, nomeadamente o repatriamento de dividendos de várias companhias aéreas.

De acordo com dados da IATA, associação das empresas do sector da aviação, as companhias aéreas reclamavam a Angola, em Junho, o repatriamento de 477 milhões de dólares (400 milhões de euros) de dividendos.

Lusa

Partilhe este Artigo