ANGOLA. Em pé-de-guerra, o Posto de Comando Superior do Ministério do Interior, órgão tutelar da Polícia Nacional de Angola, através do Comandante-Geral da Polícia Nacional, o comissário-geral Ambrósio de Lemos Freire dos Santos, apelou ao reforço da actividade de recolha de informações com vista identificar possíveis situações de desordem pública.

Em comunicado, Ambrósio de Lemos orientou as medidas no quadro do asseguramento do período pós eleitoral e avizinhando-se a data prevista para a divulgação dos resultados definitivos do pleito eleitoral de 23 de Agosto de 2017 e tendo em conta os pronunciamentos dos partidos da oposição em relação ao processo.

“Reforçar o policiamento nos locais de maior concentração populacional em praças públicas, sobretudo naquelas onde habitualmente se realizam manifestações; Manter sob segurança reforçada todas as instalações da CNE (Comissão Nacional Eleitoral), impedindo que nas proximidades destes locais se realizem manifestações ou outras acções que condicionem o seu normal funcionamento”, lê-se no comunicado.

Sob orientação do Ministério do Interior, o processo de policiamento e asseguramento é extensivo às sedes das forças políticas concorrentes e seus líderes.

“Informar no menor espaço de tempo possível o PCS através do PCC de todas as tentativas de manifestações ou outros actos relevantes que possam interferir o normal funcionamento dos órgãos do Estado,” ordenou o comissário-geral Ambrósio de Lemos Freire dos Santos, que assinou como “coordenador executivo”.

Numa ronda efectuada em várias artérias de Luanda, o Folha 8 conseguiu constatar o reforço do dispositivo policial e militar, consistindo também por agentes do Serviços de Bombeiros.

A CNE prevê a divulgação dos resultados definitivos das eleições gerais de 23 de Agosto último até às 15 horas de hoje, 6.9.2017.

Pedrowski Teca

Partilhe este Artigo