MOÇAMBIQUE. A activista moçambicana Graça Machel defendeu hoje em Maputo que se Moçambique tivesse persistido na postura dialogante do antigo Presidente da República Joaquim Chissano o país teria conseguido manter a paz.

“Se nós tivéssemos persistido nos princípios e na maneira dialogante que caracterizou a liderança do Presidente Chissano provavelmente não teríamos este actual conflito”, afirmou Graça Machel, falando durante um seminário organizado pelo Instituto Superior de Relações Internacionais (ISRI) em Maputo.

Graça Machel disse que o conflito político e militar que opõe o Governo moçambicano (Frelimo) e a Renamo, tem origem na adopção de uma postura pouco tolerante e fechada, que marcou a governação de Armando Guebuza, que, em 2005, sucedeu a Joaquim Chissano na chefia do Estado moçambicano.

“O problema está aí e agora a ‘batata quente’ passou para as mãos de alguém que é quase da vossa geração [Filipe Nyusi, actual Presidente moçambicano],”, declarou, acrescentando que a crise política em Moçambique só pode ser ultrapassada quando as lideranças políticas ganharem “coragem de fazer o impensável”.

Para Graça Machel, Moçambique precisa de reinventar os seus próprios modelos, respeitando a dinâmica e as exigências de novos tempos, dentro de clima de tolerância e transparência para garantir o futuro dos moçambicanos.

“Precisamos de sonhos comuns”, afirmou, observando que o discurso da luta contra a pobreza como objectivo comum dos moçambicanos está esgotado e não pode ser assumido como uma utopia comum.

Partilhe este Artigo