MOÇAMBIQUE, A Resistência Nacional Moçambicana (Renamo) acusou hoje o Estado de Moçambique (Frelimo) de financiar a morte dos militantes do principal partido de oposição, indicando que cerca de 100 membros já foram assassinados e cerca de 250 estão desaparecidos.

“Membros da Renamo que já perderam a vida são cerca de uma centena, mas temos tantos outros que já desapareceram, que chegam a 250 pessoas”, afirmou o porta-voz da Renamo, António Muchanga, em conferência de imprensa, em que anunciou que um membro do partido foi hoje ferido a tiro no distrito de Mocuba, província da Zambézia, centro do país.

Muchanga acusou o Governo de financiar uma onda de perseguição aos membros da oposição e uma generalização da violência contra os militantes da Renamo.

Partilhe este Artigo