ELEIÇÕES. A campanha para as sétimas eleições autárquicas de domingo em Cabo Verde termina hoje, depois de 15 dias em que os candidatos percorreram os respectivos municípios para apresentar as suas propostas ao eleitorado.

Seis partidos políticos e cinco grupos de cidadãos independentes, totalizando 57 candidatos à presidência das câmaras, percorreram os respectivos municípios de uma ponta a outra para levar as suas mensagens e propostas e pedir o voto dos eleitores.

Os candidatos colaram cartazes, distribuíram beijos, abraços, sorrisos, desceram e subiram vales, ribeira e cutelos, fizerem contactos porta a porta, organizaram comícios, entre muitas outras acções de campanha.

Para estas eleições, que serão também para as assembleias municipais, apenas o partido no poder, Movimento para a Democracia (MPD, que detém 14 das 22 câmaras), concorre em todos os 22 municípios cabo-verdianos.

O Partido Africano da Independência de Cabo Verde (PAICV, maior da oposição e com 8 câmaras) concorre em 21 municípios e apoia um candidato independente na ilha do Maio.

A União Cabo-verdiana Independente e Democrática (UCID, terceiro no país e com três assentos no parlamento), concorre na Praia, Maio, Ribeira Grande e Paul (Santo Antão), Sal e São Vicente, onde o líder do partido, António Monteiro, é candidato pela quarta vez seguida.

Nos partidos sem assento parlamentar, apenas o Partido Popular (PP) concorre em dois municípios (Praia e Calheta de São Miguel), enquanto o Partido do Trabalho e da Solidariedade (PTS) concorre na Praia e o Partido Social Democrata (PSD) entra na corrida no Sal.

Há ainda outras candidaturas independentes que saíram do seio dos dois maiores partidos, como é o caso de Luís Pires, em São Filipe (Fogo,), que avançou porque o PAICV, que o apoiou há quatro anos, decidiu voltar a depositar a confiança em Eugénio Veiga, que tinha sido preterido em 2012.

Fonte: Lusa

Partilhe este Artigo