FOI OU NÃO ASSIM, PRESIDENTE JOÃO LOURENÇO?

O partido no poder em Angola há 46 anos, no seu papel de virgem ofendida, denuncia a existência do que chama de “inúmeras campanhas de mentiras e difamação que visam atingir a imagem do MPLA, a honra e o bom nome dos seus dirigentes”. Provavelmente a começar no seu herói nacional, Agostinho Neto, o assassino responsável pelo massacre de milhares e milhares de angolanos em 27 de Maio de 1977. Na denúncia, lamento, acusação, vitimização feita em comunicado, o Bureau Político do MPLA acusa “diferentes meios de comunicação, com mais…

Leia mais