ANGOLA. Equipas especiais, com dois médicos e dois enfermeiros cada, foram criadas no hospital Neves Bendinha (vulgo dos queimados) para fazer face à demanda registada durante a quadra festiva (Natal e passagem de ano).

Com 10 médicos e 120 enfermeiros, o hospital Neves Bendinha registou no primeiro semestre deste ano, dois mil 893 casos de queimaduras e destes mil e 660 foram em crianças, de zero aos 14 anos de idade.

Em declarações à Angop, o director clínico do hospital, Álvaro Pedro, informou que, as equipas especiais ficarão de alerta para acudir situações de afluxo, principalmente, na área de queimados.

Assim foi traçado um plano de contingência para a quadra festiva, com o reforço das equipas, medicamentos e material gastável.

“Em situação normal, uma equipa é composta por um médico e dois enfermeiros, mas, devido à demanda, somos obrigados a reforçar as equipas”, disse.

Segundo Álvaro Pedro, actualmente, estão internados 68 doentes, sendo a maior parte na unidade de queimados.

Devido ao aumento de casos de queimaduras, o médico apela os adultos a redobrarem os cuidados para com as crianças, pois, dentre as pessoas que dão entrada no hospital, 60 por cento são menores de 14 anos de idade.

Apontou como causas principais o manuseio descuidado de líquidos super-aquecidos, como chá, leite, água, e óleo de cozinha, aliadas ao mau uso do gás butano.

Apelou aos adultos no sentido de não deixarem que as crianças confeccionem alimentos sem a sua supervisão, nem circulem pela cozinha enquanto houver fogo.

Pediu ainda que, antes de um adulto acender o fogão, deve verificar o estado da mangueira que liga a botija e o estado do forno.

Em caso de queimadura, o médico aconselha a não colocar na ferida produtos inadequados, como manteiga, açúcar e até mesmo excreções de animais, mas lavá-la com água fria e tapar com um pano limpo, para a seguir procurar uma unidade sanitária mais próxima.

Angop

Partilhe este Artigo