VÍDEO. O Presidente do Movimento Democrático de Moçambique (MDM), Daviz Simango, assistiu ao II Congresso da CASA-CE e enalteceu o papel da organização liderada por Abel Chivukuvuku no processo que visa instituir, de facto, uma democracia e um Estado de Direito em Angola.


Em relação ao seu país, Daviz Simango considera que para se conseguir a paz é preciso incluir outras forças vivas da sociedade no processo de pacificação do país, entre as quais o seu partido.

Em entrevista à rádio norte-americana VOA, Daviz Simango defende ser urgente um frente-a-frente entre o Presidente moçambicano, Filipe Nyusi, e o líder da Renamo, Afonso Dhlakama, e entre este e os mediadores das negociações.

Para tentar pôr termo às hostilidades militares, em Moçambique, uma Comissão Mista, que envolve elementos mandatados pelo Presidente Nyusi e pelo líder da Renamo, Afonso Dhlakama, está em conversações, sob a mediação de um grupo de personalidades nacionais e internacionais.

O diálogo político ainda não conseguiu produzir os consensos necessários para fazer calar as armas.

Daviz Simango, presidente do segundo maior partido da oposição moçambicana, já disse que, no seu entender, a paz que se pretende para o país nunca será efectiva se outras forças vivas da sociedade não forem envolvidas. A paz é um imperativo nacional e a guerra só atrasa o país, disse Simango.

Para Daviz Simango, é urgente que se faça a revisão da Constituição da República. Outro desejo de Simango é ver Afonso Dlhakama de novo no convívio normal, com os moçambicanos, o mais depressa possível.

Partilhe este Artigo