O Grupo Parlamentar da UNITA vai instar a Assembleia Nacional, através da sua 10ª Comissão de trabalho especializada, para tomar uma posição sobre as demolições e desalojamentos anárquicos de cidadãos indefesos.

A garantia foi dada pelo Presidente do Grupo Parlamentar, Raul Manuel Danda, à frente de uma delegação que, na manhã desta segunda-feira, 26 de Janeiro, visitou as populações vítimas de demolições nos bairros da Sapú II e Kulamosso em Viana.

Durante a visita, a delegação ouviu dos populares as dificuldades por que passam, onde falta de tudo um pouco, desde água potável, alimentação, medicamentos e outros bens essências, pondo em risco a vida de mulheres, homens, crianças e idosos.

Para minimizar tais carências, a delegação fez a entrega de um donativo em valores monetários e prometeu ajudar a defender a causa das populações que viram demolidas as suas residências, encaminhando as suas queixas, reclamações e petições às instituições do Estado afins, como a Assembleia Nacional, a Procuradoria-Geral da República e à Provedoria da Justiça.

Entre as vítimas destas demolições consta uma velha de 70 anos que vivia sozinha e que fruto da acção das autoridades do Estado, perdeu todos os seus haveres, sem capacidade de os recuperar por não ter mais idade de trabalhar. “Eu devia estar aposentada”, reclamou a anciã.

Dois outros cidadãos que estavam a erguer as suas residências, fruto de créditos bancários no BIC e BPC, respectivamente, Jorge Gabriel, funcionário da Elisal com 1.500.000 (um milhão e meio de kwanzas) reembolsáveis até 2017 e Carlitos Neves que exigem indemnização pelos danos, lamentaram o facto de terem famílias por sustentar e conseguirem o crédito com muito sacrifício, agora deitado por terra.

Segundo os populares a administração orientou que voltassem a erguer as suas residências, mas limitadas a uma construção provisória.

A Delegação do Grupo Parlamentar da UNITA rumou de seguida para o gabinete do Administrador de Viana, para instá-lo desta prática, já condenada pela Resolução 37/09 da Assembleia Nacional.

“Nós vamos levar isto ao Parlamento porque a Resolução diz que as demolições só devem ocorrer quando estiver em causa um interesse do Estado ou as populações correrem risco de vida. Aqui não foi nem uma nem outra coisa”, disse o Deputado Raul Danda. Segundo o deputado, a delegação recebeu do Administrador a garantia de tais actos nunca mais se repetirem.

A Delegação integrou os Deputados Raul Danda, Mihalela Webba, Albertina Navemba Ngolo, Adalberto Costa Júnior e Maria Luísa Andrade, para além do Secretário Provincial da UNITA em Luanda, Álvaro Chikuamanga Daniel.

Partilhe este Artigo