Um navio de carga com bandeira são-tomense que transportava mais de cem milhões de dólares em droga foi apresado há cerca de três semanas pela marinha dos EUA, revelou hoje uma fonte governamental são-tomense.

Segundo a mesma fonte, o navio de nome Borocho, capturado nas águas da América Central, continha muita droga, cujo valor ronda mais de 100 milhões de dólares”, além de outras mercadorias ilegais. A embarcação estava matriculada sob o número 003651 nas águas da América Central.

Num comunicado do Conselho de Ministro distribuído esta semana indica-se que “o  Governo foi informado que no dia 07 deste mês as competentes autoridades da Guarda Costeira em parceria com as cooperações de países amigos deram início a diligências para interceptar no navio de carga de nome Borocho, supostamente registado com bandeira são-tomense”.

O governo não dá mais pormenores, adiantando apenas que o referido navio é desconhecido do Instituto Marítimo e Portuário de São Tomé e Príncipe (IMAP-STP), a única instituição vocacionada para registar navios e atribuir bandeira são-tomense.

“Neste momento, o referido navio com registo ilegal foi apresado e encontra-se sob custódia com estatuto de embarcação sem nacionalidade”, refere-se no comunicado do governo são-tomense.

Sublinha-se ainda que “perante a gravidade deste caso”, que afecta “a imagem do país, o conselho de ministros insta as autoridades competentes do sector no sentido de prosseguirem com as investigações, identificar cumplicidades e prevaricadores para efeitos de procedimento disciplinar e criminal”.

A nível interno em São Tomé, as autoridades não revelam pormenores deste caso, mas sabe-se que o navio transportava 700 quilos de cocaína e que foram detidos 13 tripulantes.

A embarcação é de origem do Panamá e a documentação que as autoridades do arquipélago dizem ser falsas foram emitidos em 23 de Julho último e é válida até a mesma data de 2018.

Partilhe este Artigo