Polícia menos arrogante,
mais educada e disponível

O novo comandante-geral da Polícia Nacional de Angola defendeu o combate à criminalidade com um policiamento de proximidade, mas que recorra a efectivos “menos arrogantes, mais educados e disponíveis para ajudar quem solicita essa ajuda”. A teoria é boa. Fica, contudo, a dúvida se agentes habituados – por estímulo e cobertura superior – a pôr a razão da força acima da força da razão, a disparar primeiro e a perguntar depois, serão capazes de ser “menos arrogantes, mais educados e disponíveis para ajudar”. O comissário-geral Alfredo Mingas “Panda”, que discursava…

Leia mais