Nos dias 24 a 25 de Maio realizou-se a convenção anual da Sociedade Espanhola de Jornalismo (SEP), em Málaga. Uma das mais emblemáticas apresentações foi a de James Breiner. Ex-bolsista do Knight International Journalism Fellowship, criou o primeiro centro de jornalismo digital na América Latina, situado na Universidade de Guadalajara.

Durante dois anos James Breiner foi director do programa de mestrado em Global Business Journalism na Universidade Tsinghua em Pequim. Agora escreve em seu blog, News Entrepreneurs, e é professor visitante em comunicação e arte digital do Tecnológico de Monterrey, no México.

A palestra focou-se em duas grandes tendências no jornalismo digital que estão a ocorrer em muitos lugares um pouco por todo mundo. Eis um resumo dessa intervenção:

“As publicações estão a recorrer aos usuários afastando-se dos anunciantes e investidores como a sua principal fonte de apoio financeiro. O modelo de negócios que dependia da publicidade para apoiar o jornalismo está moribundo e quase morto. A compra e venda automatizada de publicidade é controlada pelo duopólio do Google e do Facebook, que têm mais e melhores dados sobre os usuários de notícias do que as próprias publicações. As redacções não têm como competir com esse domínio de programação e segmentação de anúncios. É hora de virar a página e não olhar para trás.

No meio desta enxurrada de lixo, informações erradas, clickbait e notícias falsas, o valor agregado de uma organização de notícias surgirá da sua credibilidade. A mídia precisa construir credibilidade e confiança interagindo mais directamente com seu público, ouvindo o seu público, adoptando transparência sobre os seus proprietários e investidores, detalhando as suas fontes de financiamento e práticas de gastos e, acima de tudo, fazendo jornalismo investigativo que mantém políticas e negócios líderes responsáveis por suas acções.

Por causa dessas duas tendências, há 10 novos paradigmas para o jornalismo digital:

Comunidade em vez de audiência. As organizações de notícias devem tentar primeiro construir uma comunidade em torno de conteúdo de alta qualidade que atenda às necessidades e preocupações de seu público nos níveis social, intelectual e emocional.

Usuários em vez de anunciantes e investidores. As mensagens de conteúdo e patrocínio alinham-se aos valores éticos e sociais dos usuários, não aos objectivos de lucro dos anunciantes e investidores.

Relacionamentos em vez de dimensões. A métrica importante não é o número de visitantes, mas como os jornalistas interagem e respondem às necessidades da sua comunidade.

Qualidade e não quantidade. Em vez de saturar o público com as últimas notícias sobre tópicos que todo mundo está a cobrir, eles produzem “notícias lentas” que oferecem explicação, contexto e análise.

Serviço público, em vez de empresas com fins lucrativos. Os meios de comunicação digitais produzirão reportagens investigativas que desafiam as narrativas apresentadas por poderosos interesses comerciais e políticos. O MediaPart da França e p eldiario.es da Espanha adoptaram esse modelo.

Capital social, em vez de capital financeiro. Muitas vezes, esses meios digitais carecem de capital financeiro, por isso precisam de encontrar formas de monetizar o seu capital social para obter contribuições e investimentos com base na credibilidade do seu conteúdo, na reputação de seus jornalistas e nas conexões com outras mídias e organizações comunitárias.

Membros em vez de assinantes. Aqueles que contribuem com dinheiro para uma publicação não estão comprando informações numa transacção puramente económica; estão a apoiar a missão da publicação, que geralmente é um serviço para uma comunidade específica. Sejam chamados de parceiros, membros, amigos, apoiantes, patrocinadores ou o que for, eles estão a fornecer a estrutura para dezenas de mídias orientadas a serviços.

Mídia de nicho, em vez de mídia de massa. Os meios de comunicação que estão a prosperar são aqueles que exploram tópicos e públicos ignorados pela mídia tradicional porque não são lucrativos o suficiente. Entre os tópicos ou comunidades negligenciadas estão os direitos humanos, educação pública, qualidade dos serviços públicos, saúde, meio ambiente, género, pequenas empresas, inovação e ciência.

O renascimento da mídia pessoal, como e-mail e blogs. A vantagem dessas mídias personalizadas é que elas podem ser protegidas do Google e Facebook.

Novos formatos narrativos impulsionados por novas tecnologias. Muitos desses formatos são impulsionados por tecnologias gratuitas ou baratas que permitem a organização e a extracção de grandes bancos de dados. O Linguoo da Argentina começou como um serviço de leitura de notícias para cegos que se expandiu para outros serviços.

E um paradigma de bónus para quem leu até aqui. Colaboração em vez de competição. Um exemplo relevante é o trabalho do OjoPúblico do Peru, que colaborou com quatro publicações na sua investigação do roubo de milhares de objectos de arte e cultura na América Latina.

Partilhe este Artigo