Que não restem dúvidas. As Forças Armadas Angolanas, na missão de garantir a paz e a estabilidade do país, devem prestar atenção especial à preparação combativa através de valores patrióticos que enaltecem os símbolos nacionais e respeito pela Constituição.

O facto foi expresso, segundo a Angop, pelo governador da província do Huambo, Kundi Paihama, quando discursava na abertura do ano de instrução 2015/2016 da Região Militar Centro, sob o lema “ Preparação combativa – preparar os desafios do futuro”.

Kundi Paihama argumentou que a preparação combativa do efectivo deve ter também em vista o resgate dos valores morais e cívicos, erradicação do analfabetismo e preservação do património público.

Esta fase, disse o governador do Huambo, representa um marco histórico na vida das tropas, na medida em que constitui, imprescindivelmente, o garante da sua existência, assim como o fortalecimento e desenvolvimento da nação e segurança da pátria, no quadro da soberania nacional.

Kundi Paihama lembrou aos presentes que as missões confiadas ao Exército não se limitam apenas em garantir a defesa do espaço terrestre nacional, uma vez que este ramo das FAA também deve auxiliar, sempre que necessário, os órgãos do Ministério do Interior na árdua tarefa de manutenção da ordem e da segurança pública.

O governador disse ainda que o Exército também deve prestar serviços comunitários e apoiar a população em campanhas de vacinação, reconstrução de infra-estruturas, combate ao crime organizado e ao terrorismo.

Considerou o ano de instrução como sendo uma tarefa principal das FAA, exortando os militares a assimilarem de forma ampla e realista os programas e respectivas actividades, além de estudarem e praticarem os treinos na grandeza dos objectivos e possibilidades da região, para que no fim de cada período se possa ganhar mais experiência que contribua para o aumento do nível de conhecimento e de confiança.

Nesta perspectiva, o governador da província do Huambo disse ser necessário a introdução de correcções para a melhoria dos procedimentos operacionais, com base no espírito de persistir a vontade de atingir à excelência.

No seu discurso, o dirigente reconheceu o esforço empreendido pela Região Militar Centro na criação de melhores condições de trabalho e de acomodação do efectivo, sobretudo na garantia de alimentação e vestuário de maior qualidade, bem como assistência médica e medicamentosa, com vista a reduzir o índice de doença no seio dos militares, sensibilizando-os também para a observação do código de estrada, por formas a se evitar as mortes por acidentes de viação.

Por isso, Kundi Paihama disse ser louvável esta acção, pois que os níveis de preparação combativa dos militares depende, muito, do seu estado de saúde, apontando, para este efeito, a luta para a erradicação no seio militar de endemias como a malária, tuberculose e SIDA.

O governador da província do Huambo, que interrompeu o seu discurso para homenagear os militares que sacrificaram as suas vidas pela defesa da pátria, alcance da paz, unidade e reconciliação nacional, instou os instrutores no sentido de estimularem a iniciativa, para que no final do período de instrução e de preparação combativa educativa-patriótica se possa obter maior rendimento nas aulas, exercícios e manobras.

Testemunharam o acto de abertura, na escola de condução de Auto-Blindados, localizada na comuna da Chipipa, a 22 quilómetros da cidade do Huambo, o comandante da Região Militar Centro, tenente-general Eugénio Figueiredo, o delegado do Ministério do Interior e comandante da Polícia Nacional no Huambo, comissário Elias Dumbo Livulo, o rei do Bailundo Ekuikui V, membros do governo, de partidos políticos com assento parlamentar, oficiais generais, superiores, entre outros.

Partilhe este Artigo