A Polícia angolana está a estudar formas de responsabilizar os peões que façam mau uso da via, atravessando em lugares impróprios e provocando atropelamentos, a principal causa de mortes nas estradas de Luanda.

A informação foi prestada pelo director do gabinete provincial de Infra-estruturas e Serviços Técnicos do Governo Provincial, Jorge Bengue, à margem de um encontro para o início das operações do Conselho Provincial de Viação e Ordenamento do Trânsito de Luanda.

Segundo Jorge Bengue, este é um assunto que tem sido analisado em vários fóruns em função de várias reclamações apresentadas por automobilistas.

“Há condutores envolvidos em acidentes, onde pode-se chegar à conclusão que terá observado todas as cautelas para evitar o acidente, mas de forma inesperada terá aparecido o peão e é atropelado”, referiu o responsável.

De acordo com dados da Unidade de Trânsito de Luanda, 501 automobilistas acusados de homicídio involuntário por atropelamento foram encaminhados, em 2014, para o departamento provincial de Investigação Criminal.

Por seu turno, o comandante da Unidade de Trânsito de Luanda, superintendente chefe Catarino Roque José Silva, citado pela Angop, disse que comparativamente a 2013 registou-se um aumento de 59 infractores.

Jorge Bengue referiu ainda que a travessia desordenada é um problema a combater, devido à perigosidade para os peões e igualmente a fluidez do trânsito.

“Temos um programa que está a ser conduzido pelo Ministério da Construção. Um contrato já assinado para a construção de 104 passagens aéreas para peões”, disse o responsável, salientando que o programa está em curso.

Aquele responsável acrescentou que está igualmente a ser preparado para meados do mês de Fevereiro a realização da primeira sessão do Conselho Provincial de Viação e Ordenamento do Trânsito.

Partilhe este Artigo