O novo arcebispo metropolitano de Luanda, Filomeno Vieira Dias, apontou hoje a “cultura da morte” e o egocentrismo entre os maiores desafios da arquidiocese da capital de Angola.

“P or isso somos chamados a ser uma cidade e uma igreja missionária”, justificou Filomeno Vieira Dias, durante a homília proferida para milhares de fiéis, na apresentação à comunidade, realizada este domingo na baía de Luanda, no dia seguinte à sua posse.

Durante a missa campal, que contou com a presença (como não poderia deixar de ser), entre outros membros do Governo, do Vice-Presidente de Angola, Manuel Vicente, foram igualmente assinaladas os 439 anos da fundação de Luanda, por colonos e missionários portugueses, que baptizaram – e dedicaram – a vila original como São Paulo da Assunção de Loanda.

“Dou graças irmãos, a Deus, porque Luanda continua cidade baptizada e crismada. Isto é, cidade comprometida em edificar-se segundo os valores do evangelho. É lindo, é extraordinário, apaixonante, mas também é provocador, é desafiante”, afirmou o novo líder da Igreja Católica da capital angolana.

Referindo-se à “Luanda dos novos tempos”, e invocando vários poetas, o arcebispo Filomeno Vieira Dias identificou entre os “desafios” da sociedade local, o “enfraquecimento” da vida cristã, a indiferença ou a “cultura da morte que cada vez mais dá sinais através da violência”, aludindo à insegurança na capital.

“A cultura egocêntrica manifestada nos sinais da ganância dos que querem comer tudo. Somos convidados a reforçar as raízes cristãs do nosso povo”, enfatizou, após reconhecer que tem pela frente uma missão “grande e desafiadora”.

“Hoje torna-se necessário despertar e reavivar no coração dos crentes, no coração de Luanda, a experiência da beleza do mistério de Deus connosco”, disse ainda.

Trata-se do sexto arcebispo de Luanda desde a elevação da diocese (fundada em 1596) a arquidiocese, em 1940, ainda no tempo colonial português.

A província de Luanda é a mais populosa de Angola, concentrando actualmente cerca de 6,5 milhões de habitantes.

Filomeno Vieira Dias, de 56 anos, foi nomeado em Dezembro, pelo Vaticano, para as funções de arcebispo metropolitano de Luanda, após a morte do bispo Damião Franklim.

Formado nos seminários dos Capuchinhos de Luanda e do Cristo Rei, na província do Huambo, Filomeno Vieira Dias foi ordenado sacerdote em 1983. Em 2004 foi nomeado e ordenado bispo auxiliar de Luanda, tendo um ano mais tarde assumido o cargo de bispo titular de Cabinda, funções que ainda mantém mais tarde assumido o cargo de bispo titular de Cabinda, funções que ainda mantém.

Partilhe este Artigo