Cidadãos portugueses foram impedidos de entrar em Angola nos últimos dias na posse de vistos em passaporte alegadamente falsos, informou hoje o Serviço de Migração e Estrangeiros (SME) angolano.

Embora sem adiantar mais pormenores sobre esta situação, o SME refere que os casos registaram-se no período entre 25 de Setembro e 02 de Outubro, através do aeroporto internacional da capital.

“A partir do posto de fronteira aérea de Luanda, temos como informação relevante esta semana a recusa de entrada de cinco cidadãos estrangeiros por uso de visto falso, sendo a maior percentagem a nacionalidade portuguesa”, indicou o SME.

Este tipo de situação não implica, por norma, a detenção destes cidadãos, apenas o seu repatriamento no primeiro voo disponível.

Aquela força policial, responsável pelo controlo de fronteiras e migração, confirmou no final de Agosto que mais de 200 passaportes com vistos de trabalho alegadamente falsos foram apreendidos para investigação, por suspeita de emissão fraudulenta, também com Portugal a liderar uma lista de quinze nacionalidades.

Países como Brasil, Moçambique, Nigéria, Líbano, Mauritânia, Egipto, China, Cuba, Ucrânia, Turquia, Jordânia, Macedónia, Costa de Marfim e Malaui figuram igualmente na lista das nacionalidades de cidadãos cujos passaportes foram apreendidos pelo SME.

De acordo com aquela autoridade, as empresas que contratam estes trabalhadores chegam a pagar a redes clandestinas, dentro e fora de Angola, 5.000 a 12.000 dólares (entre 3.700 e 9.100 euros) por cada visto falso. Oficialmente, o processo para obtenção de um visto de trabalho em Angola, a partir dos consulados do país, ronda os 400 dólares (300 euros).

Ainda na semana de 25 de Setembro e 02 de Outubro, o SME expulsou de Angola 1.313 estrangeiros por via administrativa e 7 por via judicial, acima dos cerca de mil casos semanais que se registavam por norma até Agosto passado.

Além disso, indicam ainda os números oficiais do SME, estão contabilizados actualmente, através dos Centros de Detenção de Estrangeiros Ilegais, 482 cidadãos em situação irregular, que “aguardam a formalização das respectivas expulsões”, maioritariamente da República Democrática do Congo.

O SME recebeu também, na última semana, 3.724 pedidos para emissão de vistos, tendo sido emitidos 572 vistos.

Segundo o balanço mais recente do SME, no mesmo período, por infracções migratórias, foram sancionados com multas 90 cidadãos e 10 empresas.

Entraram em Angola, na última semana, 17.766 estrangeiros e saíram 13.229, num fluxo migratório que se reporta aos postos de fronteiras terrestres, fluviais, aéreos e marítimas.

Partilhe este Artigo