Os mabecos atacam em matilhas. Muitos outros animais selvagens são gregários quando pretendem matar e devorar as presas de que se alimentam. Os cangaceiros, tristemente famosos no Brasil, atacam, matam e roubam em grupos. Os generais do MPLA contra-atacam em bandos de aves de rapina?

Por Domingos Kambunji

É assim que vemos surgir o general das FAPLA, Francisco Pereira Furtado (não sabemos a quem mas, pelos aspecto geral, o furto não tem valor), emergir da lixeira demagógica, tentando defender o cangaceiro general Zé Maria, desafiando o general Kamalata Numa para um debate sobre a batalha do “Koito-Carnaval”, porque o general das manias está engaiolado em prisão domiciliária

Há quem diga que nas FAPLA (Forças Armadas do Peculato dos Ladrões de Angola) quem soubesse rastejar, obedecer a ordens superiores, contar até cinco sem gaguejar, mudar de ideologia em cada dia, esconder-se nos bolsos ou pendurar-se nas costas dos mercenários cubanos e russos e alucinar sobre vitórias inglórias era imediatamente promovido a general. O número de mercenários angolanos promovidos a essa patente militar foi, e continua a ser, bastante elevado.

O general Zé Maria, com muitas manias, é aquele animal, com instintos selvagens, que concebeu o “plano estratégico e conduziu os planos operacionais” para mandar prender, julgar e condenar os Revus a pesadas penas de prisão por se manifestarem contra a corrupção do MPLA (Matilha de Predadores e Ladrões de Angola) e em defesa da democracia. Será que o general Furtado foi assessor do general Zé Maria como estratega especializado na “concepção e condução de planos operacionais”?

O general Francisco Furtado, armado em chico-esperto, quer demonstrar que as FAPLA venceram essa escaramuça, com os generais angolanos entrincheirados nos sovacos e nas virilhas dos russos e dos cubanos, ansiosos para iniciarem o furto dos recursos naturais do nosso país quando terminasse essa batalha.

O MPLA ganha todas as batalhas e todas as guerras quando o objectivo é matar, seja para impor um ditadura cleptocrática, seja para permitir o avanço da fome e de epidemias, seja para roubar dinheiros públicos com a máxima naturalidade e impunidade.

O MPLA venceu a guerra civil que iniciou porque conseguiu matar e continua a matar muitíssimos mais angolanos. Quanto a batalhas… o MPLA também conseguiu vencer a batalha da demagogia e da incoerência para impor a incompetência. O povo angolano saiu miseravelmente derrotado em quase todas as batalhas planeadas e implementadas pela matilha de generais, civis e militares, do MPLA, especialmente nas batalhas para a melhoria da qualidade de vida e da justiça social.

O general Furtado, armado em Rambo de sanzala, pendurado nas suas divisas de general de aviário, quer demonstrar que percebia e percebe muito de estratégia militar, escondido atrás das nádegas dos sobas russo-cubanos, na concepção e condução de planos operacionais…

Essa é a tal batalha que o MPLA diz ter permitido a libertação dos povos da África Austral. Angola também fica situada na África Austral. Será que o MPLA se esqueceu de libertar da pobreza 20 milhões de angolanos e continua essa batalha matando a população com epidemias, fome, doenças facilmente tratáveis, aumento da criminalidade em centros urbanos, especialmente na capital do país, falta de infra-estruturas básicas?

O MPLA esqueceu-se de libertar do analfabetismo centenas de milhar de crianças, só na província de Luanda e muitíssimas mais no resto do país, por falta de escolas e de professores? Essa libertação dos povos da África Austral não incluiu a libertação dos angolanos da incompetência governamental, colonizados há 45 anos pelo MPLA, e da dependência dos pedidos de fiado no estrangeiro.

O MPLA ganhou essa batalha carnavalesca? Trata-se efectivamente da batalha do “Koito-Karnaval”. Senão vejamos…

O MPLA venceu essa guerra civil, de que foi “fundador”, para impor uma ditadura monopartidária marxista-leninista. Quando terminou a guerra mudou de ideologia para passar a defender um ideal que era anunciado pelo “inimigo”, porque o marxismo-leninismo demonstrou ser uma enorme falácia. Chama-se a isto vitória?

O MPLA lutou contra o que dizia ser o “Imperialismo Capitalista Internacional” inimigo do povo trabalhador. Quando terminou a guerra espalhou o capitalismo cleptocrático selvagem desumano, para a enriquecer a oligarquia dos kangambas generais e os seus kapangas, os furtados que se vingaram e passaram a dedicar-se ao furto. Agora o governo do MPLA, que mente com todos os dentes que possui na boca dizendo que o nosso país é independente, passa o tempo a pedir fiado aos países do “Imperialismo Capitalista Internacional”, ao governo comunista da China e à Oligarquia Cleptocrática da Rússia.

As FAPLA venceram a batalha do “Koito-Carnaval” e o comandante-chefe, que teve o apoio de 99.6% dos comensais, civis e generais, foi obrigado a fugir para um exílio dourado em Barcelona e a filha, empresária de ovos de jacaré, anda escondida tentando escapar às emboscadas concebidas e conduzidas e implementadas em planos operacionais do poder judicial?

As FAPLA venceram a Batalha do “Koito-Karnaval” para quê? Para os governos do MPLA colocarem o nosso país em qualidade de vida no lugar 156, entre os países mais atrasados do mundo, e a qualidade do Ensino para a juventude no lugar 157, no grupo das piores do planeta?

As FAPLA venceram a batalha do “Koito-Karnaval” para Angola poder ocupar um lugar cimeiro a nível mundial em mortalidade infantil e no número de crianças fora do sistema escolar por falta de estabelecimentos escolares e de professores?

As FAPLA venceram a batalha do “Koito-Karnaval” para defenderem a imunidade cleptocrática dos presidentes e vice-presidentes do MPLA e da Reipública e foram tão apressadas e hipócritas a impor heróis nacionais que até um assassino, Agostinho Neto, responsável por crimes contra a humanidade, foi promovido a pai ou padrasto da Nação?

Nesse aspecto há um pouquinho mais de decência e de bom senso na Rússia, porque este país demonstra alguma repulsa pela figura do José Estaline, mandador dos fuzilamentos de muitos milhões de cidadãos indefesos naquele país.

O general Kundi “paiLama” foi à Coreia do Norte homenagear a ditadura daquele país. O general fruto do furto está impaciente para ir depositar flores no túmulo do Estaline, obedecendo às ordens superiores do Bureau Político do Comité Central do partido da cleptocracia em Angola? Furtado está reformado e, por isso, tem tempo para ir dar carinho e solidariedade ao José Estaline, que está em prisão domiciliária no túmulo há muitas décadas.

Quando a sociedade aprender a ignorar estes kapangas generais de vitórias inglórias, flutuando nos redemoinhos da hipocrisia, da incoerência, da demagogia e das modas de ideais incongruentes, e apostar na formação da juventude para desenvolver um espírito crítico inteligente e construtivo, o nosso país será destronado do título de Rei dos Pedidos de Fiado e da subserviência parasitária.

Nota. Todos os artigos de opinião responsabilizam apenas e só o seu autor, não vinculando o Folha 8.