Como estadista de elevada craveira, segundo os seus sipaios, José Eduardo dos Santos vai paulatinamente reforçando aquela que foi a emblemática política colonial imortalizada no poema Monangambé de António Jacinto: fuba podre, peixe podre, panos ruins, cinquenta angolares e porrada se refilares.

Por Orlando Castro

E, pelo sim e pelo não, avisa que o regime não permitirá o direito à indignação aos que pensam que podem incendiar as ruas, trazer tumultos, rebeliões ou atentar contra o “querido líder”. Antigamente os angolanos comiam e calavam. Hoje só calam porque comida… nem vê-la.

Por deficiência congénita e ancestral, os angolanos são de uma forma geral um povo sereno e de brandos costumes que, quase sempre, defende a tese de que mais vale um prato de fuba hoje do que um bife em 2017.

Há, contudo, alguns sinais de sentido contrário, mas ainda são ténues e compráveis com um qualquer prato de fuba, farelo ou peixe… mesmo que podre. E é pena. No entanto, a força que se usa no dedo do gatilho costuma ser a última a finar-se…

Mas, quem sabe?, talvez um dia acordemos com a barriga de tal modo vazia a ponto de mostrarmos que estamos fartos de quem em vez de nos servir… nos lixa e nem sequer paga, pelo contrário.

José Eduardo dos Santos acredita que consegue pela repressão violanta criar as condições para que as contestações abrandem ou sejam até anuladas. Esquece-se que a base da pirâmide demográfica é dominada por jovens, o que pressupõe uma especial propensão para haver um aumento da contestação.

É certo que em Angola aumenta o número dos que pensam que a crise (da maioria, de quase sempre os mesmos) só se revolve a tiro. O rastilho mantém-se aceso porque isso corresponde à estratégia do regime. Nada melhor para manter o poder cleptocrático vivo do que ter o cenário de ”guerra” pronto a entrar em combate.

De uma coisa os angolanos não podem, contudo, esquecer-se. Como dizia Platão: “O castigo por não participares na política é acabares por ser governado por quem te é inferior.” E se, mesmo participando, deu no que deu… o melhor é cortar o mal pela raiz.

E, convenhamos, se o valor dos angolanos se medisse pelo nível dos actuais políticos do regime (mas também da oposição), estariam certamente abaixo do último do lugar do “ranking” mundial.

José Eduardo dos Santos sabe que Angola apresenta um elevado risco político com a possibilidade de motins e de comoção civil. Sabe mas não se preocupa. Esse é um risco calculado que visa, repita-se, a manutenção do regime e que – graças a essa estratégia – terá a cobertura da comunidade internacional.

Embora, segundo os analistas internacionais, Angola esteja ainda num patamar de risco baixo, há indícios crescentes de que a sociedade começa a estar farta do monopartidarismo camuflado de democracia.

O legado colonial e a crise do petróleo não chegam, pelo contrário, para justificar ou explicar a política seguida pelo regime e que, em síntese, mostra que poucos (quase todos ligados ao clã presidencial) têm cada vez mais milhões, ao passo que cada vez mais milhões têm pouco nada.

Será esse legado colonial e essa crise petrolífera que justificam que as fortunas de personalidades angolanas ligadas ao regime, guardadas em bancos no exterior do país, sejam superiores às reservas de Angola?

Será esse legado colonial e essa crise petrolífera que justificam que Angola esteja no 6º lugar da corrupção mundial, ranking em que a Somália está no 1º lugar, a Coreia do Norte em 2º, o Afeganistão em 3º, o Sudão em 4º, o Sudão do Sul em 5º, a Líbia em 7º, o Iraque em 8º, a Venezuela em 9º e a Guiné-Bissau em 10º?

Nesta altura, os angolanos já estão cegos, desdentados e de barriga vazia. E se assim é, ninguém pode levar a mal que adoptem a política do olho por olho, dente por dente.

Para já e por enquanto, na primeira linha dos que saem à rua para dizer “basta” estão alguns jovens (“frustrados”, segundo o qualificativo de Eduardo dos Santos). Todavia, na segunda linha estão milhares de desempregados e milhões de pobres e famintos.

Em certas áreas urbanas das grandes cidades, nomeadamente nas periferias de Luanda, as probabilidades de revolta são grandes, e não é só por uma questão de austeridade, dificuldade do mercado de trabalho e do emprego, porque já não é possível justificar tudo com a guerra nem com a ideologia do MPLA.

A isso acresce a existência de largo escalão de jovens (basta var os activistas detidos) altamente qualificados e que, por isso, demonstram ter coluna vertebral e pensar pela própria cabeça, mesmo sabendo que dessa forma estão a cometer um atentado contra a segurança do Estado.

Seja como for, começa mesmo a ser altura de os angolanos porem os seus políticos a pão e água ou, talvez, a farelo.

Partilhe este Artigo