Quem diria?!… Como uma fotografia pode ser tão reveladora de tanta hipocrisia! Quem diria que esta fotografia foi registada num país com um governo vil, com uma ideologia de cleptocracia, recordista mundial em mortalidade infantil?

Por Domingos Kambunji

Quem diria que este dirigente é cúmplice da negligência total para com as crianças com atrasos no desenvolvimento e as crianças em geral?

Quem diria?

Recentemente, alguém perguntou se os dirigentes do MPLA são caricaturas. Essa pessoa recebeu uma resposta de imediato: Não! São mesmo chico-espertos e autênticos matumbos!

Todos sabem que o Jornal de Angola, a TPA e a RNA são o rosto e a voz do re(i)gime do MPLA.

Ainda não há muito tempo lemos uma longa reportagem, no Jornal de Angola, onde se explicava o abandono e a incompetência nos hospitais de Luanda para dar assistência a crianças com atrasos no desenvolvimento. Ficámos chocados com a matumbice/ignorância do pseudo jornalista ao tentar abordar um tema para o qual revelou uma incompetência total.

Dizia o pseudo jornalista que o autismo é uma patologia. Os investigadores e terapeutas que tentam melhorar a qualidade de vida das crianças e adultos com autismo devem ter ficado com vontade de atirar tomates e ovos podres às caras do pseudo-jornalista, do director do pasquim oficial, do Ministro da Saúde e do Presidente da Re(i)pública de Angola.

Qual será o agente patogénico que provoca o autismo? Será que esse agente patogénico tem capacidade para voar e, de um momento para o outro, pode cair na cabeça do pseudo-jornalista ou de outros transeuntes que passem pela Mutamba, Cidade Alta ou por outros locais da Re(i)pública Cleptocrática de Angola? Será que as pessoas têm necessidade de usar chapéu para se protegerem contra o agente patogénico que provoca o autismo?

Angola é um país com muitos Kangambas nos órgãos oficiais de informação, nos Ministérios, nas Forças Armadas, na Presidência da Re(i)pública, etc. etc. etc.

A culpa não é do Savimbi ou dos partidos da oposição. A culpa desta situação é do MPLA, o partido que resolveu iniciar a guerra civil em Angola e, após 15 anos de “paz”, continua a produzir e proteger estas cabeças podres, muito megalómanas e matumbas.

Os kangambas deputados do MPLA no paraLamento Nacional poderiam plagiar a legislação sobre a protecção e apoio a crianças com atrasos no desenvolvimento e copiar os planos e projectos que estão a ser implementados em países desenvolvidos. Recordamo-nos especialmente do ADA (Americans with Disability Act) e do “No Child Left Behind”, nos Estados Unidos da América do Norte.

Nós sabemos que os deputados do MPLA no paraLamento Nacional estão mais interessados em comportarem-se como cata-ventos, sempre em movimentos de rotação, no beija mão ou na “lambição das botas do patrão”.

O plágio e implementação em Angola de legislação, como é o caso do ADA e do “No Child Left Behind”, exigiria a orçamentação de kumbu para dar atenção às crianças com atrasos no desenvolvimento. Isso implicaria a falta de dinheiro para remunerar as elevadas incompetência e falta de qualificação da Isabe(ga)linha, na presidência da Isabeangol, do Zenú, na presidência do Fundo do Soberano, e reduziria a margem de lucro dos kangambas generais kapercentagem dos dinheiros das obras públicas.

Já agora que estamos em campanha eleitoral, gostaríamos de saber qual foi a kapercentagem recebida pelo general João “Malandro” Lourenço dos projectos e obras públicas, para ter conseguido um híper-enriquecimento tão rápido?

Sabemos que não obteremos resposta à nossa pergunta porque, devido a “ordens superiores, esse assunto é mais um Segredo do Estado!

Partilhe este Artigo