O presidente do Conselho de Administração do Caminho-de-Ferro de Benguela (CFB), Carlos Gomes, afirmou hoje que o regresso da ligação ferroviária entre o litoral e o interior de Angola vai incrementar as relações económicas com os países vizinhos.

O responsável falava à margem da viagem do designado “comboio inaugural”, que partiu terça-feira do Lobito com destino ao Luau, no extremo interior do país.

Em causa está a construção, reabilitação e prolongamento de uma linha com 1.344 quilómetros de extensão, erguida ainda no tempo colonial português, destruída durante a guerra civil angolana.

A obra, em várias fases, foi concluída em 2014, com o troço final, e esteve a cargo da empresa China Railway Construction Corporation (CRCC).

“É uma garganta da economia de Angola. Vamos fazer tudo para que o Caminho-de-Ferro de Benguela retome o seu papel inicial, de 1903”, disse Carlos Gomes.

É que esta ligação permitirá o acesso ferroviário da fronteira leste de Angola ao porto de Lobito, na província de Benguela, com acesso pelo interior à linha férrea da República Democrática do Congo e da Zâmbia, e esta por sua vez, futuramente, para Moçambique.

Desde 1982 que a ligação entre os dois pontos estava interrompida, retomando-se desta forma o papel do chamado “corredor do Lobito”, permitindo a exportação por via marítima destes países no interior do continente africano, como acontecia anteriormente, recordou Carlos Gomes, citado pela RNA, a rádio pública.

A chegada do comboio ao Luau insere-se na visita que o Presidente da República de Angola, José Eduardo dos Santos, promove àquela vila da província do Moxico no sábado, com várias inaugurações previstas.

Esta fase do CFB é um empreendimento público mas de concretização totalmente chinesa, desde o projecto à construção da linha e das 67 estações, além do fornecimento de material circulante, num investimento avaliado em 1,83 mil milhões de dólares (1,61 mil milhões de euros).

O troço final da CFB, entre Luena e Luau, de 334 quilómetros e com sete estações, foi concluído em 2014 e esteve em testes até agora, com a partida do designado “comboio inaugural”, ligando dois extremos do país e transportando 250 convidados numa viagem que terá a duração de mais de 30 horas.

A ligação entre o Lobito e a cidade do Luena, a capital da província do Moxico, foi restabelecida em 2012, sendo o transporte de passageiros agora alargado até à fronteira. Esta linha deverá garantir o transporte anual de 20 milhões de toneladas de carga e de quatro milhões de passageiros.

Partilhe este Artigo