O volume de negócios da banca angolana aumentou para cerca de 52 mil milhões de euros em 2014, mas o crédito malparado disparou 41,6%, indica o relatório anual do Banco Nacional de Angola (BNA).

D e acordo com o documento, para este resultado contribuiu sobretudo o aumento no negócio dos títulos de valores mobiliários, mas também o crescimento de 8,9% a carteira de crédito.

Os mais de vinte bancos que operam em Angola registaram desta forma, em 2014, um volume de negócios global que ascende a 7,1 biliões de kwanzas (51,9 mil milhões de euros), um crescimento de 3,5 mil milhões de euros em apenas um ano, equivalente a 7,26%.

Segundo o relatório do BNA, o crédito bruto concedido à economia atingiu no ano passado os 3,2 biliões de kwanzas (23,3 mil milhões de euros), uma subida de 8,7% face a 2013.

O banco central angolano reconhece, por sua vez, que o crédito vencido nos bancos nacionais aumentou 41,6% no espaço de um ano, para 465,7 mil milhões de kwanzas (3.395 milhões de euros).

“Devido ao aumento considerável do nível de incumprimento do BESA [Banco Espírito Santo Angola]”, lê-se no documento.

Neste caso em concreto, e após intervenção do BNA em Agosto, o banco acabou por sofrer um aumento de capital no final de Outubro, entrando a petrolífera angolana Sonangol para accionista de referência e ficando o Novo Banco português com uma posição de 9,9% do capital social (quando o ex-BES português era maioritário até Outubro).

O resultado, identificado pelo banco central, é que o rácio de crédito vencido sobre o crédito total do sistema aumentou de 11,18% para 14,53% em Dezembro de 2014.

Partilhe este Artigo