Segundo, o programa Ecos e Factos da TPA, uma freira de nacionalidade angolana terá apresentado sintomas do vírus de Ébola e está internada no Hospital Militar de Luanda, sob observação.

Afreira vinha de Paris, passou por Brazzaville, Kinshasa e Cabinda, antes de chegar a Luanda. As autoridades que analisaram a situação suspeitam que a freira possa ter contraído o vírus numa travessia de barco em Brazzaville.

Angola tem tomado todas as medidas recomendadas para enfrentar o problema e, ainda ontem, médicos, enfermeiros e técnicos de diagnóstico do Hospital Sanatório de Luanda (HSL) estiveram num seminário de treino contra possíveis casos de Ébola, visto ser uma unidade que atende situações que envolvem vómitos ou escarros com sangue.

Segundo o director de enfermagem do HSL, Nzinga Rodrigues, o Sanatório está a treinar os seus técnicos, capacitando-os sobre o uso correcto dos equipamentos de biossegurança, tendo em conta que a instituição recebe casos de hemoptise (vómitos ou escarros com sangue).

“Os nossos técnicos deverão estar mobilizados, prontos para qualquer situação suspeita e, para tal, deverá haver coesão das equipas em serviço”, destacou, acrescentando que os técnicos estão a ser informados como lidar com casos de sangramento, que surgirem no hospital, sendo aconselhados a imediatamente informar a equipa médica em serviço para em conjunto estudar-se o caso.

O Hospital Sanatório de Luanda possui 562 funcionários, dos quais 21 médicos, 188 enfermeiros, entre outros técnicos.

Recorde-se também que as autoridades sanitárias do município de Belize reforçaram as medidas de segurança nas zonas fronteiriças com as vizinhas repúblicas do Congo (Brazzaville) e Democrática do Congo, com vista a controlar eventual entrada, em Cabinda, de doentes com o vírus do Ébola.

Para tal, a Repartição Municipal de Saúde em Belize desenvolve uma campanha de distribuição, em todas as parcelas fronteiriças, de termómetros digitais, equipamento que permitem medir a temperatura, como primeira medida preventiva.

O chefe dos recursos humanos da instituição, Fernando Milando, assegurou que, no município de Belize, não existem quaisquer indícios ou sinais de casos suspeitos ou de infectados pelo Ébola.

Fernando Milando apontou que as zonas fronteiriças de Binda, Alto Sunde, (Comuna de Miconje), Luali, Bonde Likiende e Banda Massala (Comuna sede) foram já reforçadas com equipamentos para medir a temperatura, garantindo assim maior segurança das medidas de prevenção de eventual propagação da doença, a partir destas localidades.

“Estão acauteladas todas as medidas de prevenção e segurança para travar a eventual penetração da doença na província, através da longa e vasta fronteira terrestre, bem como as fluviais e marítima, com os vizinhos Congo-Brazzaville e RDC”, disse Fernando Milando.

Partilhe este Artigo