O Embaixador para a Paz Mundial, João Kanda Bernardo, manifesta-se preocupado com os acontecimentos que têm marcado a sociedade angolana nos últimos tempos e toma medidas de prevenção de conflitos. Para além de contactos feitos recentemente junto de gabinetes de chefes de governos de três potências mundiais, o Embaixador Kanda foi também recebido nesta terça-feira 03.11.2020, pelo Ministério das Relações Exteriores da Alemanha, apesar de o país ter entrado outra vez em quarentena.

Durante a audiência ocorrida no Ministério alemão, o “Pacificador Universal” e o seu homólogo abordaram também a Campanha “Peaceful Society” que visa formar jovens angolanos na Alemanha como “Mediadores de Conflitos” e realizar audiências semestrais entre actores relevantes da sociedade civil angolana e da comunidade internacional, onde serão abordadas questões tangentes a direitos humanos em Angola, para permitir que a comunidade internacional compreenda melhor os problemas de Angola e tome posições mais eficazes, com a finalidade de buscar soluções, que possam contribuir para uma melhor interpretação e aplicação do “ius Regni” e “ius Maestatis” neste país que celebra o calar das armas desde 2002.

Ambas as partes consideram a audiência da terça-feira muito produtiva. A informação sobre este importante encontro também foi tornada pública através de um Post no twitter do Embaixador Robert Dölger, Director-Geral do Ministério das Relações Exteriores da Alemanha para a África subsahariana e Médio Oriente (na foto com o Embaixador Kanda).

Finalmente, Angola será o terceiro país africano, onde o Embaixador Kanda poderá aplicar a Campanha “Peaceful Society“ que só termina em Maio de 2023, pois o Diplomata da Paz considera preocupante o nível de saturação do povo angolano diante a actual realidade social que o país atravessa, cuja a génese é conhecida por todos os cidadãos lúcidos.

A data para a formação dos jovens angolanos na Alemanha está prevista para o primeiro Semestre de 2021, mas ainda não foi definida tendo em conta as actuais restrições impostas pela Covid-19, que também limitam o número de pessoas em reuniões. Porém as audiências para a auscultação da sociedade civil angolana junto da comunidade internacional já estão marcadas.

O Pacificador diz também que o clima prevalecente no seio da sociedade angolana, demonstra que o Povo não está preparado para aceitar uma eventual nova vitória nas eleições de 2022 do partido que governa Angola desde 1975, mesmo que este venha a ganhar sem fraudes, assim como o partido que governa Angola há quase meio século também não está preparado para uma derrota eleitoral contra os seus adversários políticos. Razão pela qual há necessidade de se encontrar medidas inteligentes de compreensão fácil para todos, a fim de se evitar situações menos bons durante e depois das eleições gerais previstas para 2022 e continuar-se com o bom trabalho da manutenção da Paz alcançada em 2002.