Luísa Damião, a vice-presidente do MPLA que dá carinho e solidariedade aos familiares das zungueiras que a polícia do MPLA mata, disse que o assassino Agostinho Neto deixou uma marca indelével (que não se pode apagar) na política angolana. É verdade, foi o Fundador da guerra civil, o pai dos fuzilamentos do 27 de Maio e iniciou uma ditadura para defender uma ideologia que fracassou. É um muito mau exemplo para os angolanos e para a humanidade em geral.

Nota: Imagem e opinião de um leitor e que só vinculam o seu autor (devidamente identificado).