Os angolanos que criticam e manifestam oposição às medidas desmedidas dos governos do MPLA são uns grandes sacanas, não é assim Victor Silva do jornal da Angola do MPLA? São traidores, pertencentes a uma organização de malfeitores que pretende organizar um golpe de Estado para derrubar o presidente? É assim, Victor Silva do jornal da Angola do MPLA?

Por Domingos Kambunji

Deve ser muito difícil para o Victor Silva do jornal da Angola do MPLA perceber o que é democracia. Estará ele convencido que a democracia é assim um tipo de Re(i)gime de ditadura como a que está implantada na China, na Coreia do Norte ou na Rússia?

Comemorou-se esta semana mais um aniversário da queda do Muro de Berlim. Esse trauma psicológico para o MPLA obrigou o partido da grande corrupção em Angola a mascarar-se com outro paradigma político, económico e social. A realidade, como demonstra o pensamento do Victor Silva do jornal de Angola do MPLA, é que se retirarem a máscara ao Re(i)gime o paradigma implantado continua a defender a uma pseudo-democracia de partido único.

O Victor que foi nomeado para director do jornal da Angola do MPLA pelo ministro da educação patriótica, o que foi exonerado por ser mentiroso, diz que o MPLA já tinha encontrado “as soluções “ para resolver todos os problemas económicos e sociais do país e que, a funcionar, “proporcionariam uma situação diferente da que temos hoje”.

Então porque é que não funcionaram essas soluções? Porque o MPLA decidiu iniciar uma Guerra Civil para tentar implantar uma “democracia de um só partido” do tipo chinês, norte-coreano ou soviético?

Quem violou os acordos para a independência de Angola, temendo eleições livres e democráticas no nosso país, preferindo ficar na dependência soviética? Foi a Maria Cachucha ou o Movimento do Peculato dos Ladrões de Angola (MPLA)?

Nós sabemos como é que o MPLA tentou sempre “buscar um caminho para a “solução pacífica dos conflitos”… Se realmente tivesse tentado encontrar uma solução pacífica teria evitado levar um arraial de pancadaria na Batalha Assalto Final, antes das conversações de Nova Iorque. Pensou que se derrotasse as forças da oposição iria para os Estados Unidos numa posição mais “altiva”, como dono disto tudo. A coisa correu mal e teve pôr-se em debandada porque o tal poderio militar que propagandeavam na ficcionada Batalha do Cuito Cuanavale era só fogo de artifício ou “vapores do rego”.

O presidente João Lourenço não precisa de condecorar o Victor Silva com a Medalha de Primeiro Grau de Obediência ao Comité Central do MPLA. O Victor Silva do jornal da Angola do MPLA já está totalmente domesticado e assimilado pelo re(i)gime que não é independente, depende muito do dinheiro fiado do estrangeiro.

É por isso que amanhã irão berrar muitos discursos laudatórios de comemoração dos 44 anos da dependência internacional dos sucessivos governos MPLA, enquanto a independência continua adiada.

O presidente, João Lourenço, dizem, aproveitará o feriado nacional para viajar até ao Vaticano. Será que irá pedir ao Papa perdão pelos pecados que cometeu para enriquecer muitíssimo durante o período da Grande Roubalheira? Ou será que irá voltar a ler o discurso que já foi lido pelo José Eduardo dos Santos quando foi visitar o Papa no Vaticano?

O Vladimir Putin também foi visitar o Papa, no Vaticano. O chefe da Igreja Católica não o conseguiu convencer a parar de matar e envenenar jornalistas e seres humanos da oposição que criticam este czar da corrupção.

O que quer o Victor Silva do jornal da Angola do MPLA? Que o presidente João Viagens, quando regressar do Vaticano, imite os comportamentos do Putin ou exonere os partidos da oposição?

Partilhe este artigo