Ainda se recordam do Paulo Pombolo, o governador que foi exonerado por apenas se ter destacado, durante as campanhas eleitorais, a inaugurar chafarizes? Ele agora foi promovido a Secretário-Geral do MPLA. Ele pensa que no desempenho das novas funções deve continuar a dizer e a fazer aberrações.

Por Domingos Kambunji

É mais um ser mutante, persistindo em sobreviver como mais uma anedota ambulante. Neste aspecto o MPLA está bem povoado de nódoas que, com comportamento boçais, pensam ser intelectuais. Se o disparate passou a ser moda, nós preferimos continuar a ser criticados por sermos desmodados.

O Pombolo acusou as Redes Sociais de tentarem desacreditar o processo de mudanças sociais e económicas em curso no país. Que mudanças sociais? O aumento do número de cidadãos em risco de morrer de fome ou dependentes da caridade? Um salário mínimo nacional que permite encher o estômago de fome?

A desculpa de que a fome é provocada pela seca é uma grande falácia. A verdade é que é causada pela estupidez e incompetência com que governam as províncias mais afastadas e abandonadas, como fez o Pombolo como governador do Uíge.

De facto é muito triste ter o cérebro nos calcanhares e, quando se pretende raciocinar, só produzir chulé. Estes são os “altos digerentes” que estão a pôr em prática o slogan tão propagandeado pelo Partido da Corrupção na governação: “melhorar o que está bem para os dirigentes do MPLA”!

Foram as Redes Sociais que roubaram os biliões de dólares dos cofres do Estado? Foram as Redes Sociais ou foram os “digerentes” do MPLA quem não repatriou o dinheiro roubado do Estado e escondido no estrangeiro? Foram as redes sociais quem roubou a chuva no Sul do país, onde o atraso provocado pela incompetência e negligência do partido governante deixou as populações e os animais domésticos tão vulneráveis que chegam a morrer de fome?

Foram as Redes Sociais que compraram um terreno por 344 milhões de dólares que tinha sido oferecido a um dos kapangas do MPLA, para construírem ao Bairro dos Ministros? Foram as Redes Sociais quem ordenou a construção do luxuoso Bairro dos Ministros e depois deu o dito por não dito por ser demasiado escandalosa tanta ostentação?

Foram as Redes Sociais quem prometeu levar a Califórnia para Benguela e o “kimbóio” para as Lundas? (O “kimbóio”, dizem, irá chegar às Lundas lá para o Natal, quando o presidente oferecer brinquedos aos filhos, netos e sobrinhos dos governadores provinciais!). Foram as Redes Sociais quem prometeu fazer mais com menos dinheiro e agora faz menos com mais pedidos de fiado?

O MPLA agora culpa as Redes Sociais por desacreditarem a propaganda, o planeamento social, e os comportamentos dos dirigentes do partido governamental boçal. O racional dos principais dirigentes do partido governamental é tão infantil que quase toda a gente percebe que é fútil. A culpa do fracasso dos dirigentes do MPLA, para desviar atenções, já foi do Savimbi, da UNITA, do capitalismo imperialista internacional, da crise económica mundial, da seca…

São uma grande seca estes Pombolos que passam o tempo a copiar os comportamentos e declarações do Kangamba, João Pinto, Pedro Sebastião, Luísa Damião, Luís Fernando… (desculpem mas, por falta de tempo, não poderemos estar nos próximos dez anos a referir lista infinita com todas as anedotas ambulantes deste partido com muitos mutantes, anedotas ambulantes, que mudam de ideologia para continuarem a defender e a fazer a mesma porcaria!)

São as Redes Sociais que estão a comprometer as “Reformas do País”? As reformas devem ter um valor monetário muito baixo para o país necessitar de tantas. O país já foi reformado pelo assassino Agostinho Neto. Seguiu-se a “Reforma do País” pelo cleptómano José Eduardo dos Santos. Agora o presidente João Promessas também está a mandar o país para a “Reforma”? Não se compreende que Angola tenha tantas “Reformas” sendo um país ainda jovem. Quem deveria ir para a reforma (sem pensão de sobrevivência) seriam estes Pombolos, dirigentes do MPLA, por grande invalidez, por terem mentalidades tão velhas, esclerosadas e matumbas.

Pombolos, não culpem as Redes Sociais pela rebaldaria que implementam e continuam a implementar, com pensamentos e comportamentos tão boçais.

Partilhe este artigo