A directora-geral da UNESCO, Audrey Azoulay, saudou, hoje, em Paris, “a muito boa cooperação com Angola” durante a visita à instituição do presidente angolano, João Lourenço, na sua primeira etapa da deslocação oficial a França.

Esta foi a primeira vez que um chefe de Estado angolano visitou a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO) e foi o primeiro ponto da agenda da também primeira visita oficial de João Lourenço a França.

“Estamos muito felizes por ter escolhido a UNESCO para começar a sua visita a França. Temos uma muito boa cooperação com Angola e toda a nossa equipa está disponível para acompanhar os diferentes projectos”, declarou a directora-geral da instituição no início de uma curta reunião com João Lourenço.

No final, em declarações à agência Lusa e à RFI, Audrey Azoulay sublinhou que a escolha da UNESCO como primeira etapa da visita bilateral “é um sinal visível da importância que o presidente angolano dá a esta instituição”.

Audrey Azoulay acrescentou que falou com João Lourenço sobre “as áreas nas quais a UNESCO pode acompanhar Angola”, nomeadamente ao nível de formações científicas e ao nível cultural.

“No ano passado, houve a inscrição do importante sítio arqueológico de Mbanza Congo e continuamos a trabalhar nisso, não apenas com Angola, mas também com os países fronteiriços. É um trabalho de reconhecimento da história e também de um potencial desenvolvimento económico sustentável. Além disso, Angola pretende apresentar outras candidaturas para a inscrição no Património Mundial da Humanidade”, afirmou.

A UNESCO classificou, a 8 de Julho de 2017, o centro histórico da cidade de Mbanza Congo, antiga capital do Reino Congo, como património Mundial da Humanidade, a primeira classificação do género em Angola.

As próximas candidaturas que o Governo angolano pretende avançar são o corredor do rio Kwanza, as gravuras de Tchitundu-Hulu e a cidade de Cuito Cuanavale, tendo a recepção da directora da UNESCO sido “muito boa”, de acordo com a ministra angolana da Cultura, Carolina Cerqueira.

“Foi muito boa. Ela garantiu que vai continuar a ajudar Angola a desenvolver esses projectos para bem do Património Mundial, para a valorização da História africana e para a afirmação de Angola como um país importante da conjuntura da UNESCO”, afirmou a ministra.

Além da “continuação da cooperação entre Angola e a UNESCO, sobretudo no domínio da preservação, valorização do património nacional”, Carolina Cerqueira adiantou que na reunião se falou sobre “a cultura da paz pela experiência que Angola tem e que poderá servir de exemplo na região africana, questões ligadas à igualdade do género e educação, formação de quadros e bolsas de estudo”.

Esta manhã, o presidente angolano vai a uma Escola Politécnica, depois desloca-se ao Museu Militar – Hôtel National des Invalides, onde decorrem as cerimónias oficiais de boas-vindas, com os hinos nacionais dos dois países, na presença do ministro da Agricultura francês, Stéphane Travert, do governador militar de Paris e da delegação oficial angolana.

Ao início da tarde, o chefe de Estado angolano vai ser recebido e vai almoçar com o homólogo francês, no Palácio do Eliseu, onde os presidentes vão assinar acordos de cooperação no domínio da Defesa, da Agricultura, da Economia e da formação de quadros.

Esta tarde, João Lourenço vai deslocar-se à Assembleia Francesa, onde vai ser recebido pelo presidente do Parlamento, François de Rugy.

Depois, o presidente angolano dirige-se à sede do Movimento das Empresas de França (MEDEF), onde está prevista a assinatura de acordos entre a Sonangol e a Total, assim como um encontro com cerca de 80 empresários franceses e 20 angolanos, e, no final do dia, vai à Embaixada de Angola em França.

Esta terça-feira, o presidente de Angola desloca-se à cidade de Toulouse, no sul de França, onde vai visitar, de manhã, as fábricas da ATR e da Airbus e, à tarde, o Liceu Agrícola e o Instituto Nacional de Pesquisa Agronómica, em Auzeville, a Cooperativa Agrícola Arterris, em Castelnaudary, e vai reunir com uma representação da comunidade angolana residente em França.

Na quarta-feira de manhã, a agenda fecha com uma entrevista colectiva à revista económica Valeurs Actuelles e aos jornais Le Monde e Le Figaro e uma entrevista ao canal de televisão Euronews.

A França é a primeira visita oficial de João Lourenço a um país ocidental, depois de ter realizado visitas a vários países africanos, como África do Sul, República Democrática do Congo, Zâmbia ou Namíbia desde que foi empossado como terceiro Presidente da República de Angola, em Setembro de 2017.

Lusa

Partilhe este Artigo