ANGOLA. As províncias angolanas de Luanda e Cuanza Norte registaram, de 11 a 23 deste mês, um total de 16 casos suspeitos de cólera, dos quais três foram confirmados, indicaram hoje as autoridades sanitárias de Angola.

Os dados referentes ao resumo dos casos suspeitos de cólera, elaborados pelo Instituto Nacional de Investigação em Saúde, dão conta que o laboratório recebeu três casos suspeitos do município de Bolongongo, província do Cuanza Norte, e os restantes de Luanda, dos municípios da Samba (dois), Sambizanga (um), Ingombota (um), Viana (dois), Cacuaco (seis) e um sem ficha de identificação.

As autoridades referem que, desde o início da epidemia, no período de 28 de Maio a 23 de Julho do ano em curso, o laboratório recebeu 68 amostras suspeitas de cólera provenientes das províncias de Luanda (65) e Cuanza Norte (três), tendo-se isolado nestas o vibrião colérico em 12 amostras recebidas de Luanda: Talatona (dois), Rocha Pinto (um), Samba (três), Belas (quatro) e Cacuaco (dois).

“Além disso, 52 amostras foram negativas e quatro ficam pendentes (uma na província de Luanda e três da província do Cuanza Norte), refere o relatório.

Do total acumulado, entre Maio e Julho, foram confirmados 12 casos de cólera, em crianças e adultos, entre um ano e 63 anos, em Luanda – Talatona, Rocha Pinto, Samba, Belas e Cacuaco.

Este ano, também as províncias do Uíge e Cabinda, ambas no norte de Angola, foram já assoladas por surtos de cólera, que atingiu na primeira mais de 600 pessoas e mais de uma dezena de mortos, e na segunda mais de dez casos e pelo menos um óbito, registados em Fevereiro deste ano.

Lusa

Partilhe este Artigo