O ministro das Relações Exteriores de Angola, Manuel Domingos Augusto, declarou hoje que África deve deixar de olhar para a Europa como “eterno culpada dos seus problemas” e que os dois continentes devem evolui para parcerias mutuamente benéficas. Fazendo fé em quem manda (presume-se que seja João Lourenço), esta nova tese do MPLA tem duas excepções – Angola e Portugal.

E das duas uma. Ou, segundo MPLA, Portugal não faz parte da Europa, ou Angola não se localiza em África. É que, para os ortodoxos do partido que nos (des)governa desde 1975, capitaneados por João Lourenço, Portugal é culpado de tudo… nomeadamente dos fracassos criminosos do MPLA.

Recordemos, por exemplo, que o inquérito para apurar causas do desabamento, em 2008, do edifício da investigação criminal, em Luanda, responsabilizou a administração colonial portuguesa, por ter permitido a construção sobre um lençol de água.

E essa estratégia de tornar Portugal no mais pacífico e invertebrado bode expiatório integra, goste-se ou não, o ADN do MPLA. Faria, aliás, todo o sentido que a administração colonial portuguesa (mesmo que em abstracto) fosse levada ao Tribunal Penal Internacional. Desde logo por ser responsável pelos dirigentes do regime que nasceram no tempo colonial.

Talvez até o massacre do 27 de Maio de 1977, seja responsabilidade da administração colonial que não cuidou de evitar a existência de fraccionistas.

Em 2008, o edifício da antiga Direcção Nacional de Investigação Criminal (DNIC) desabou tendo causado 24 mortos entre as 180 pessoas que se encontravam no edifício.

À questão, colocada em 24 de Novembro de 2015 pela deputada da UNITA, Mihaela Weba, sobre os resultados do inquérito, Eugénio Laborinho (então secretário de Estado dos Serviços de Protecção Civil e Bombeiros do Ministério do Interior e hoje governador de Cabinda) disse que o mesmo “está em curso”.

“Já são muitos anos que se passaram. O prédio da DNIC estava numa área de erosão hídrica, porque ali várias fontes de água passavam, por aí e porque também é uma área complicada em termos de vulnerabilidade de risco, uma vez que já houve algumas réplicas naquela direcção”, explicou o governante do MPLA.

Eugénio Laborinho disse ainda que na altura não faltaram os alertas para aquela situação, frisando que o prédio desabou em segundos.

“Deu a primeira réplica, a segunda e à terceira o prédio desabou e tinha detidos na altura. O que é que nós podíamos fazer?”, questionou.

O então secretário de Estado lembrou que na altura, enquanto comandante da Protecção Civil e Bombeiros, dirigiu as operações de resgate, que “já lá vão muitos anos” e que o inquérito está em curso.

“Agora vamos julgar quem? O Ministério da Construção, o ministro do Interior na altura? O director da DNIC, na altura? Quem?”, devolveu as perguntas à deputada.

“Aquilo aconteceu, aquilo o construtor é o colono, que nós temos que ir buscar lá. É verdade, foi o que aconteceu. É o colono que construiu mal, construiu por cima de um lençol de água. Isto é perigoso e nós temos estado a alertar do ponto de vista preventivo que isso não é assim”, sublinhou brilhantemente Eugénio Laborinho.

O dirigente fez uma analogia do caso às construções realizadas junto de encostas, morros e linhas de água, que “depois quando vem o azar é um problema” e querem culpabilizar o Governo.

“Contributo” do Folha 8

No sentido de ajudar Eugénio Laborinho e todos aqueles que o mandam dizer este chorrilho de asneiras a elaborar um dossier contra a administração colonial, que deverá ser apresentado em Haia ao TPI, o Folha 8 deixe aqui o seu modesto contributo.

Assim, como introdução, tudo o que de mal se passou em Angola, sobretudo nos últimos 42 anos, tem raízes nos quatrocentos e tal anos anteriores.

Todos sabemos que a administração colonial portuguesa (não confundir com a do regime) foi responsável pelos milhares (40 mil? 80 mil?) de angolanos torturados e assassinados em todo o país depois dos acontecimentos de 27 de Maio de 1977, acusados de serem apoiantes de Nito Alves ou opositores ao regime.

Tal como foi responsável pelo massacre de Luanda que visou o aniquilamento e de cidadãos Ovimbundus e Bakongos, onde morreram 50 mil angolanos, entre os quais o vice-presidente da UNITA, Jeremias Kalandula Chitunda, o secretário-geral, Adolosi Paulo Mango Alicerces, o representante na CCPM, Elias Salupeto Pena, e o chefe dos Serviços Administrativos em Luanda, Eliseu Sapitango Chimbili.

Foi igualmente responsável pelo massacre do Pica-Pau em que, no dia 4 de Junho de 1975, perto de 300 crianças e jovens, na maioria órfãos, foram assassinados e os seus corpos mutilados no Comité de Paz da UNITA em Luanda, ou do massacre da Ponte do rio Kwanza, em que no dia 12 de Julho de 1975, 700 militantes da UNITA foram barbaramente assassinados, perto do Dondo.

A administração colonial portuguesa (não confundir com a do regime) foi também responsável pelo facto de entre 1978 e 1986, centenas de angolanos serem fuzilados publicamente, nas praças e estádios das cidades de Angola, uma prática iniciada no dia 3 de Dezembro de 1978 na Praça da Revolução no Lobito, com o fuzilamento de 5 patriotas e que teve o seu auge a 25 de Agosto de 1980, com o fuzilamento de 15 angolanos no Campo da Revolução em Luanda.

Ou por, em Junho de 1994, a aviação (provavelmente da… UNITA) ter bombardeado e destruído a Escola de Waku Kungo, tendo morto mais de 150 crianças e professores, e de entre Janeiro de 1993 e Novembro de 1994, ter bombardeado indiscriminadamente a cidade do Huambo, a Missão Evangélica do Kaluquembe e a Missão Católica do Kuvango, tendo morto mais de 3.000 civis.

A administração colonial portuguesa (não confundir com a do regime), é igualmente responsável por:

– Todos os dias, a todas as horas, a todos os minutos haver angolanos que morrem de barriga vazia, sendo que 70% da população passa fome;

– 45% das crianças angolanas sofrem de má nutrição crónica, e que uma em cada quatro (25%) morrer antes de atingir os cinco anos;

– No “ranking” que analisa a corrupção mundial, Angola ainda não ter atingido o pódio do mais… corrupto (embora ande perto);

– A dependência sócio-económica a favores, privilégios e bens, ou seja, o cabritismo, se o método utilizado pelo MPLA para amordaçar os angolanos e que o silêncio de muitos, ou omissão, deve-se à coacção e às ameaças do partido que está no poder desde 1975.

– A corrupção política e económica ser hoje, como ontem, utilizada contra todos os que querem ser livres, que 76% da população vive em 27% do território, que mais de 80% do Produto Interno Bruto é produzido por estrangeiros; mais de 90% da riqueza nacional privada foi subtraída do erário público e está concentrada em menos de 0,5% de uma população;

– O acesso à boa educação, aos condomínios, ao capital accionista dos bancos e das seguradoras, aos grandes negócios, às licitações dos blocos petrolíferos, estar limitado a um grupo muito restrito de famílias ligadas ao regime no poder.

Voltemos ao ministro Manuel Domingos Augusto

“A aproximação entre Europa e África é incontornável. A Europa é o principal parceiro económico de África e África é depositária de grandes reservas de matérias-primas, algumas delas fundamentais para a indústria europeia, por isso, há aqui uma relação de interdependência”, disse o chefe da diplomacia do MPLA, que hoje participou no 1º EurAfrican Fórum.

Manuel Augusto apelou a que os dois continentes acompanhem “o movimento dos tempos” e abandonem “paradigmas que já foram ultrapassados” e “tabus psicológicos” prejudiciais para ambos.

Tal como o paternalismo da Europa em relação a África ainda acontece, “às vezes, ainda que de forma involuntária”, também África “deve deixar de olhar a Europa como eterno culpado dos seus males e única fonte para resolução dos seus problemas.

Para o governante do MPLA, é preciso “evoluir” para aquilo que todos afirmam querer: “uma parceria justa, com benefícios mútuos” para os dois continentes.

Questionado sobre a criação de zonas de comércio livre em África, o ministro concordou que é preciso partir para a criação de “mecanismos próprios”, pois “não é concebível que a banana produzida no Benim tenha de ir para a Europa para depois ser comprada por Angola”.

A “parceria com a Europa” é importante para resolver problemas como a falta de vias de comunicação ou um tecido industrial desenvolvido e deve ser encarada de forma positiva.

“É preciso consolidar a noção que o facto de Angola e outros países africanos quererem fábricas para transformar os seus produtos não significará menos negócio para os países europeus. Aliás estamos a convidar os países europeus para virem para um mercado quase virgem para investirem e fazerem as fábricas”, salientou.

Manuel Domingos congratulou-se com a escolha de Portugal para receber a primeira edição do evento organizado pelo Conselho da Diáspora Portuguesa e reafirmou que as relação entre Portugal e Angola são “muito boas”.

Folha 8 com Lusa

Partilhe este Artigo