Sob o título “Diversificar a mentira para enganar matumbos”, o Folha 8 publicou no passado dia 10 um texto em que dizia: «As exportações angolanas de produtos agrícolas cresceram 120 vezes do segundo para o terceiro trimestre de 2017, atingindo a fasquia dos 21,1% do total de vendas ao exterior, segundo as mais do que duvidosas contas do Instituto Nacional de Estatística (INE) de Angola. Não. A terra ainda não tinha sido alimentada com esse miraculoso “adubo” chamado João Lourenço.»

De facto, as contas do INE eram mais do que duvidosas. Terão sido feitas em cima dos joelhos de alguém que não tinha joelhos. Hoje o INE corrigiu o valor das exportações agrícolas no terceiro trimestre de 2017, do crescimento inicial de 120 vezes para menos do dobro face aos três meses anteriores.

A informação consta de uma errata, publicada hoje pelo INE, à Folha de Informação Rápida do Comércio Externo do terceiro trimestre de 2017, alegando a ocorrência de “um erro na codificação de um produto do grupo combustível, com o código de produto agrícola”, que resultou “no aumento do valor da exportação de produtos agrícolas em 21,2% em detrimento de combustível em 74,2%”.

Na versão corrigida, Angola exportou produtos agrícolas no valor de 3.706 milhões de kwanzas entre Julho e Setembro de 2017 – contra os anteriores, que seriam históricos, 292.479 milhões de kwanzas (1.400 milhões de euros) -, neste caso um aumento de 53,2% face ao trimestre anterior, mas uma quebra de 26,3% tendo em conta o período homólogo de 2016.

Com esta revisão, o peso das exportações agrícolas desceu 21,1% do total para apenas 0,3%, voltando as exportações petrolíferas ao patamar habitual, passando de 74% para 95,1% do total.

Na mesma altura, contactado pela Lusa, o presidente da Associação Industrial de Angola (AIA), José Severino, desvalorizou estes números, que classificou como “bons de mais para serem verdade”, tendo em conta a pretensão, arrastada no tempo, de diversificação da economia nacional. “Não é possível um crescimento assim”, afirmou então o empresário.

Agora, na versão corrigida da Folha de Informação Rápida do Comércio Externo, o INE refere que as exportações de petróleo no terceiro trimestre de 2017 aumentaram 4,3%, face ao trimestre anterior, para 1,317 biliões de kwanzas (5.850 milhões de euros), o que também representa uma descida homóloga de 0,7%, tendo em conta o registo no mesmo período de 2016.

O Presidente angolano, João Lourenço, afirmou a 8 de Janeiro que é tempo de Angola passar das acções à prática no que toca à diversificação da economia, para que quando se fale das exportações nacionais não seja apenas do petróleo.

O Presidente da República falava nos jardins do Palácio Presidencial, em Luanda, na sua primeira conferência de imprensa, com mais de uma centena de jornalistas de órgãos nacionais e estrangeiros, quando passam 100 dias após ter chegado à liderança no Governo, tendo sido questionado sobre os efeitos da austeridade no processo de diversificação da economia.

“É absolutamente necessário. A nossa salvação está aí. E a autoridade não significa não diversificar a economia, antes pelo contrário. É precisamente a austeridade que nos obriga a diversificarmos a economia”, defendeu.

Até ao segundo trimestre de 2017, segundo os dados do INE, cerca de 95% das exportações angolanas eram de petróleo bruto, pelo que a economia do país se ressente, desde finais de 2014, da quebra prolongada na cotação do barril de crude no mercado internacional.

“Angola não tem outra saída senão diversificarmos de facto a sua economia. Sobre isso já muito se falou, já correu muita tinta. Temos que passar a acções concretas, no sentido de fazer com que as nossas exportações não se baseiem apenas no crude, no petróleo bruto, mas quando falarmos de exportações de Angola falemos sobretudo mais de outros produtos”, defendeu João Lourenço.

Ainda assim, as receitas fiscais angolanas com a exportação de petróleo deverão atingir, em 2018, mais de 2,399 biliões de kwanzas (12 mil milhões de euros), com o Governo a estimar vender cada barril a 50 dólares.

Os dados constam do relatório de fundamentação do Orçamento Geral do Estado (OGE) para 2018, que o Governo angolano entregou na Assembleia Nacional e que tem votação na generalidade prevista para 18 deste mês.

O documento do Governo angolano prevê que 24,8% de todas as receitas a angariar pelo Estado sejam provenientes do sector petrolífero, enquanto os impostos do sector não petrolífero deverão ascender, em 2018, a 1,740 biliões de kwanzas (8.875 milhões de euros).

Folha 8 com Lusa

Partilhe este Artigo