ANGOLA realizou mais de 9.000 medições da tensão arterial, em um mês, sendo que a grande maioria das pessoas o fez pela primeira vez, informou hoje o coordenador no país do estudo promovido pela Sociedade Internacional de Hipertensão.

Mário Fernandes referiu que o estudo, denominado May Measurement Month, abrange 100 países, estando Angola a levar a cabo as medições nas províncias de Luanda, Benguela, Huíla e Cabinda, pretendendo atingir até a primeira quinzena deste mês 10 mil medições.

Segundo o coordenador, o estudo visa saber como está a tensão arterial e qual a prevalência da hipertensão em vários países do mundo.

“Nós queremos uma meta bastante ambiciosa, até aos dois anos subsequentes de recolha de dados, poder atingir um universo de mais de 100.000 angolanos incluídos no estudo. Até ao dia 15 nós queremos estar próximos das 10.000 medições”, disse Mário Fernandes à rádio pública angolana.

O responsável acrescentou que a pesquisa irá permitir que as autoridades sanitárias angolanas tenham uma ideia concreta de quantos hipertensos existem em Angola, qual a sua percentagem na população global e sobretudo qual o perfil do doente hipertenso no país, bem como as faixas etárias em que a doença é mais prevalente.

“São dados que nós estamos há muitos anos à procura”, frisou o médico cardiologista. A pesquisa é realizada a voluntários a partir dos 18 anos, que pelo menos há um ano não medem a sua pressão arterial.

Lusa

Partilhe este Artigo