Façamos de conta que em Angola a Constituição era para cumprir. Se assim fosse, e se acaso alguém quiser dar credibilidade ao anúncio feito hoje, José Eduardo dos Santos ao auto-demitir-se em 2018, se eventualmente as eleições se realizarem em 2017, teria de convocar novas eleições (manter-se-ia em funções “até à tomada de posse do Presidente da República eleito nas eleições subsequentes”).

Partilhe este Artigo