Um grupo de mulheres da Guiné-Bissau, residentes no país e na diáspora, criou um movimento para a paz, estabilidade e legalidade, com o qual pretendem “dizer basta” à instabilidade política e pobreza.

O grupo, que se auto-intitula “Minjderis di Guiné No Lanta” (Mulheres da Guiné-Bissau levantemo-nos), ou Miguilan, foi fundado por 29 guineenses de várias profissões e conta com cerca de 80 membros.

Entre elas estão a cantora Karyna Gomes, a gestora de projectos Nelvina Barreto ou a jurista Vera Cabral.

Em conjunto, a decisão de criar o movimento surgiu no dia 24 de Agosto, na sequência da decisão do Presidente guineense, José Mário Vaz, de demitir o Governo eleito, situação com a qual não concordaram.

“Somos um movimento constituído exclusivamente por mulheres que espontaneamente se mobilizaram para dizer ‘basta’ aos recentes eventos políticos que levaram ao derrube, pelo Presidente da República, do Governo saído das urnas após as eleições legislativas de 2014”, lê-se no seu manifesto.

O Governo derrubado “já estava a dar passos importantes e a granjear a confiança interna e externa”, acrescentam.

Para o Miguilan, a decisão do Chefe de Estado “mergulhou a Guiné-Bissau em nebulosas de insegurança, instabilidade, ilegalidade”, factores que, dizem, conduzem à persistência da corrupção, injustiça e pobreza da população.

Cansadas de ver e viver com instabilidade política no país e confrontadas com os níveis da pobreza da maioria da população guineense, as mulheres do Miguilan pretendem passar aos actos, com a introdução de “um discurso diferente” na Guiné-Bissau e a colocação da voz e acção feminina “nas mais altas instâncias nacionais e internacionais” de discussão.

“O Miguilan é uma organização da sociedade civil guineense que é, por definição, apartidária, e que se quer política, tendo a ambição de fazer ouvir a sua voz em tudo o que diz respeito às orientações e decisões relativas à paz, estabilidade e legalidade” na Guiné-Bissau, refere o manifesto.

Ter uma presença activa das mulheres nos órgãos de poder, de gestão e resolução de conflitos é um dos objectivos do movimento.

O Miguilan promete trazer para o debate nacional questões como a boa governação, democracia, direitos humanos e género, bem como denunciar decisões e práticas vigentes na Guiné-Bissau que sejam contrárias às prerrogativas da democracia e de um Estado de Direito.

Partilhe este Artigo