A organização do Prémio Oceanos anunciou hoje em São Paulo, no Brasil, que em 2017 irá aceitar obras de autores de língua portuguesa com livros publicados em qualquer país, aumentando a abrangência a escritores de outros continentes.

Antes das mudanças agora anunciadas, as obras premiadas precisavam de ter sido publicadas no Brasil para poder concorrer.

Organizado pelo Itaú Cultural, o prémio literário Oceanos também passou a ter uma nova curadora, a crítica literária e jornalista portuguesa Ana Sousa Dias.

“Agora, a ideia de contemplar livros de literatura em língua portuguesa de todos os cantos do mundo possibilita que as literaturas brasileira, portuguesa e africanas concorram em igualdade de condições e que a sólida literatura portuguesa contemporânea esteja representada de forma ampla, assim como as literaturas africanas”, destacou um comunicado distribuído pelos organizadores do prémio.

O director do Itaú Cultural, Eduardo Saron, frisou que com este novo formato de gestão implementado pelo instituto, com a curadora coordenadora Selma Caetano, “o Oceanos realiza um verdadeiro intercâmbio da literatura em língua portuguesa aumentando a abrangência cultural e a sua repercussão no mundo”.

Na última edição do Prémio Oceanos o vencedor foi o escritor português José Luís Peixoto com o romance “Galveias”.

As inscrições para o Oceanos começam às 00:00 de sexta-feira e devem ser feitas através da página na internet do Itaú Cultural: www.itaucultural.org.br/oceanos2017.

O prémio aceita inscrições de livros de poesia, prosa de ficção, dramaturgia e crónica. É possível inscrever obras no formato digital e podem concorrer livros publicados exclusivamente nesta versão.

A escolha dos vencedores continua a ser realizada em três etapas sendo a primeira iniciada pela curadoria, que indicará um júri de avaliação formado por 40 estudiosos de literatura. Este júri avaliará todas as obras devidamente inscritas e vai eleger entre elas 50 semifinalistas.

Na segunda etapa, um júri intermédio, formado por seis jurados eleitos na etapa anterior, avalia as obras semifinalistas e elege as 10 finalistas.

No último momento, um júri final, composto pelos mesmos seis jurados, escolhe os quatro vencedores.

Em 2017, o Oceanos irá distribuir 230 mil reais (69,3 mil euros), divididos da seguinte forma: 100 mil reais (30,3 mil euros) para o primeiro lugar, 60 mil reais (18,2 mil euros) para o segundo, 40 mil reais (12,1 mil euros) para o terceiro e 30 mil reais (nove mil euros) para o quarto colocado.

Legenda: Matilde Campilho, José Eduardo Agualusa e Mia Couto foram finalistas do Prémio Oceanos 2016

Partilhe este Artigo