O Secretário de Estado dos Negócios Estrangeiros da Noruega reconheceu hoje em Luanda que “muitas coisas estão a melhorar” em Angola a respeito dos direitos humanos e que vai continuar a cooperação para o alcance da “direcção correcta”.

M orten Hoglund reuniu hoje em Luanda com o Secretário de Estado dos Direitos Humanos do Ministério da Justiça e dos Direitos Humanos de Angola, António Bento Bembe, com o qual abordou o estado da cooperação entre os dois países sobre os direitos humanos.

Em declarações à imprensa à saída do encontro, o governante norueguês disse que foi analisada a situação dos direitos humanos em Angola e o nível de cooperação existente entre os dois países.

“Com certeza que ambos os países têm tradições, culturas, hábitos e até opiniões diferentes, mas aproveitamos essas oportunidades para colocarmos as questões certas e para continuar a trabalhar no sentido de nos movimentarmos numa direcção correcta”, disse Morten Hoglund.

O governante norueguês sublinhou que não cabe ao seu país fazer uma avaliação completa e geral dos direitos humanos em Angola, mas afirmou que no âmbito da cooperação entre os dois países tem havido “discussões bastante acesas sobre alguns assuntos”.

“Colocamos as questões e a partir daí nós acreditamos que poderemos continuar a melhorar até na arena internacional”, frisou.

Por sua vez, António Bento Bembe disse que o Governo angolano continua a implementar as suas estratégias de promoção e defesa dos direitos humanos, contribuindo bastante os comités provinciais de direitos humanos em todo o país para a formação dos cidadãos.

“O que se pretende é a articulação ou o vínculo entre dos direitos humanos e as acções das pessoas, porque é preciso saber que os direitos humanos estão presentes em tudo o que a sociedade faz”, salientou.

Angola e a Noruega, mais concretamente o Ministério da Justiça e dos Direitos Humanos e a embaixada norueguesa em Angola cooperam no domínio dos direitos humanos desde 2011, no âmbito do projecto “Educação para uma cultura dos direitos humanos”, virado para a formação e capacitação de quadros angolanos em matéria dos direitos humanos.

Partilhe este Artigo