Se “haver” necessidade, parafraseemos João Lourenço para garantir que em “Angola mão há fome”, não há censura, não há pobres, não há crianças a morrer de malária…