O sociólogo Paulo de Carvalho é um exemplo muito destacado do que é o kangambismo intelectual ou o Joãopintismo matumbo que se tornou norma na Re(i)pública da Angola do MPLA. As pessoas ainda se recordam, muitíssimo bem, do Paulo de Carvalho, o sociólogo licenciado na “Universidade Kalashnikov do MPLA”, que dizia que na Re(i)pública da Angola do MPLA havia democracia porque o José Eduardo dos Santos não mandou matar o jornalista Rafael Marques!

Por Domingos Kambunji

O pauliteiro revela alguma estranheza por, na prevenção contra a contaminação do coronavírus, se restringir a aglomeração de pessoas com números contraditório ou empíricos. Esqueceu-se de lembrar aquilo que os epidemiologistas aconselham como distância social, que deverá ser superior a 2 metros e, pelo que dizem, não é respeitada no Aeroporto 4 de Fevereiro e arredores.

O Paulo diz que o nosso país tem muita experiência no combate de epidemias. Foi para combater a epidemia do protesto que o MPLA mandou fuzilar muitas dezenas de milhar de angolanos no 27 de Maio de 1977? Foi para combater a epidemia das manifestações contra a corrupção e em defesa da democracia que o MPLA prendeu, julgou e condenou a pesadas penas de prisão os Revus? Foi por negligência no combate à epidemia da inteligência que o José Eduardo dos Santos se esqueceu de mandar matar o Rafael Marques? Foi para combater a epidemia da defesa da liberdade de opinião e informação que o MPLA apresentou nos tribunais do MPLA mais de uma centena de queixas contra o William Tonet? É para combater a epidemia do protesto que o MPLA tem presos políticos em Cabinda e está a julgar jovens por se manifestarem contra o governador de Malanje?

O sociólogo diz que a Re(i)pública da Angola do MPLA tem uma larga experiência no combate a epidemias. Já conseguiu acabar com a proliferação da malária? Esqueceram-se de patrulhar o Cuando Cubango e outras províncias para impedirem a propagação da tuberculose?

O senhor Carvalho informa os angolanos de que os sistemas de saúde da Europa (nós acrescentamos da Ásia e da América do Norte) estão a revelar bastantes falhas e dificuldades em enfrentarem desafios para combaterem esta pandemia. É anedótico observar este crítico que diz que o sistema de saúde da Re(i)pública da Angola do MPLA tem muita experiência… Esta triste anedota, demasiado macabra, é estupidamente ridícula, por comparar a realidade com a ficção.

Os índices sociológicos do Paulo de Carvalho dizem que a média de vida da Europa é inferior à da Re(i)pública da Angola do MPLA? Os índices da sociologia do Paulo de Carvalho dizem que a mortalidade infantil é maior na Europa do que na Re(i)pública da Angola do MPLA?

A sociologia do MPLA diz-nos que no nosso país há pessoas a morrerem devido à seca. Os sociólogos a sério, os médicos, os nutricionistas, as pessoas minimamente inteligente e honestas… dizem que essas pessoas morrem devido à fome! Não vamos desafiar os sociólogos do MPLA porque eles poderão desencadear uma guerra civil e mais uma batalha do “Coito-Carnaval”. É por isso que, como pacifistas, oferecemos-lhes desprezo.

O Paulo de Carvalho não quer que a Re(i)pública da Angola do MPLA seja outra Itália ou Portugal. Esqueceu-se da Espanha, da França, da Inglaterra, dos Estados Unidos, do Canadá, da Austrália… Temos a certeza de que, em assistência médica para a população em geral, a Itália e Portugal não querem ser como a Re(i)pública da Angola do MPLA.

O megafone da sociologia do MPLA esqueceu-se de criticar o país onde esta pandemia teve o seu início? Esse país “muitíssimo democrático, como é o caso da Re(i)pública da Angola do MPLA” condenou o médico que alertou para o início desta calamidade, um profissional honesto que veio a falecer vítima deste maldito vírus. É conveniente não referir o nome da China, talvez por ordem superior baixada pelo Comité Central do MPLA, porque este país condecorou o João Maria de Sousa, anterior Procurador-Geral da Epidemia da Corrupção na Re(i)pública da Angola do MPLA, e é um dos patrões do governo angolano.

O Paulo de Carvalho diz que lhe disseram que dizem que na Europa o coronavírus sofreu uma mutação e passou a atacar, não só os adultos e idosos, também os adolescentes e crianças. Desejamos sinceramente que o Paulo de Carvalho não seja atacado pelo vírus inicial ou da mutação que, se isso for verdade, poderá atacar sociólogos do MPLA com uma idade cronológica adulta mas com uma idade mental infantil ou adolescente.

Nota. Todos os artigos de opinião responsabilizam apenas e só o seu autor, não vinculando o Folha 8.