A Luísa Damião está a transformar-se numa anedota ambulante, tentando copiar muitas caricaturas matumbas do MPLA que se destacam nos esforços para normalizar os disparates demagógicos, procurando fomentar a incompetência e a falta de inteligência dos donos do poder, manipuladores de mentalidades.

Por Domingos Kambunji

A vice-presidente do MPLA, Luísa Damião, a que dá carinho e solidariedade aos familiares das zungueiras que a polícia do MPLA mata, “alertou para a tentativa de desvalorização de Agostinho Neto”?

A Luísa não tem a noção da realidade, não abandona essa mania das grandezas a elogiar o fundador da guerra civil em Angola e o pai dos fuzilamentos do 27 de Maio de 1977. Agostinho Neto é desvalorizado porque não conseguiu ser tão famoso como o José Estaline ou o Adolf Hitler? Agostinho Neto só conseguiu mandar matar muitas dezenas de milhar de angolanos. Não teve tempo, porque lhe deu o badagaio, para mandar matar muitos milhões de pessoas, como fizeram os ditadores da Rússia e da Alemanha. Todavia, o legado de Agostinho Neto, continuado por José Eduardo dos Santos e João Lourenço, ainda continua vivo, com muitas pessoas a morrerem de fome (o MPLA diz que é devido à seca) na Re(i)pública da Angola do MPLA.

É por isso que dizemos que Agostinho Neto não necessitou de ajuda para manchar a sua imagem, conseguiu fazê-lo, antes de morrer, de uma maneira muito sanguinária ao tornar-se o fundador da guerra civil em Angola e o pai dos fuzilamentos, de muitas dezenas de milhar de angolanos, no 27 de Maio de 1977. Isso já toda a gente sabe e, por isso, a Luísa Damião assobia para o lado, tentando deitar poeira para os olhos dos angolanos, elogiando o criminoso e tentando descredibilizar muitos que foram familiares e amigos das vítimas do ditador do MPLA.

Esta mania de fabricar e impor heróis, escondendo o seu cadastro criminal, faz lembrar a visita do José Estaline à Geórgia e o seu funeral em Moscovo. O povo, devido às lavagens cerebrais e ao terror imposto pela ditadura, tratou-o como um deus, o senhor todo-poderoso e a personificação de todas as virtudes. A filha, Svetlana Alliluyeva, foi uma das muitas pessoas que desmascaram os crimes contra a humanidade, as injustiças sociais e as populações a morrerem de fome, tal como o MPLA de Agostinho Neto e os seus seguidores espalharam e continuam a espalhar pelo nosso país.

A Luísa Damião, vice-presidente do MPLA, deveria sentir nojo e vergonha por o seu partido ter colocado o nosso país, em 2019, no lugar 159 em qualidade de vida em geral, entre os países mais atrasados e injustos do mundo. Não, a Luísa Damião continua a gabar as virtudes de Agostinho Neto, que iniciou uma guerra civil para impor uma ditadura que defendeu ideais fracassados, tal como a de José Estaline. Nesse aspecto, se Neto tivesse sido realmente como o tenta retratar a Luísa Damião, teria aprendido com os erros cometidos pelo ditador assassino da União Soviética e não os repetiria. Mas não. Neto só soube copiar um mau exemplo.

Não é de admirar que a Luísa continue a alucinar com ideais fracassados. Ela também fez parte do bando que apoiou 99.6% José Eduardo dos Santos… A única diferença reside no facto de o Zedu ter sido despromovido ao estatuto de corrupto e o Neto continuar a ser o herói da carnificina.

A Luísa Damião estará interessada em criar uma comissão para importar, da Rússia, as estátuas do José Estaline que foram derrubadas e colocá-las junto das do Agostinho Neto, só para o fundador da guerra civil em Angola não se sentir tão sozinho?

A Luísa diz que Agostinho Neto foi uma referência em Angola. Triste referência…

A Luísa Damião disse que Agostinho Neto foi um homem com invulgares qualidades humanas… Iniciar uma guerra civil e mandar fuzilar pessoas sem julgamento prévio são defeitos muitos graves em qualquer cultura e civilização!

Se nos países democráticos e civilizados, com um pensamento crítico inteligente, dissessem que em Angola existe uma mulher, com formação em jornalismo, tentando defender como herói nacional um criminoso, os jornalistas desses países dificilmente acreditariam.

Se nas escolas das minhas crianças as psicopedagogas soubessem que em Angola existe uma mulher, que se apresenta como psicopedagoga, a defender um ditador, que iniciou uma guerra civil e mandou fuzilar muitas dezenas de milhar de cidadãos, as psicopedagogas ficariam horrorizadas com tanta incoerência, megalomania e banga matumba.

A Luísa Damião é vice-presidente do MPLA porque o MPLA não conseguiu arranjar pior?

Nota. Todos os artigos de opinião responsabilizam apenas e só o seu autor, não vinculando o Folha 8.