Os vencedores da edição 2018-2019 do Concurso Startupper do Ano da Total foram hoje conhecidos e galardoados numa cerimónia oficial realizada em Luanda, após deliberação do corpo de Júri.

Os vencedores do Concurso Startupper do Ano da Total em Angola são:

1° classificado: Projecto de serviços “Kubinga” de Darryl Nequetela, “Acessibilidade e mobilidade na palma da sua mão”. Kubinga é uma aplicação online que visa oferecer liberdade de mobilidade à sociedade, simplificando o acesso aos transportes e contribuir para a diminuição da taxa de desemprego.
2° classificado: Projecto de saneamento “Angola 100Lixo” de Anjo Fudiela. “Uma aplicação on-line que ajuda os cidadãos a separar o lixo”. Angola 100Lixo pretende que o utilizador informe onde e quando o lixo deve ser recuperado e em troca ganha pontos que serão convertidos em gratificações monetárias. O lixo poderá ser posteriormente transformado em electricidade, fertilizantes, roupas, etc..
3° classificado: Projecto de geolocalização “Plataforma ONDE!” de Fernando Domingos. “Uma aplicação on-line que identifica endereços em Angola”. Plataforma ONDE! para a identificação de endereços e contribuir para melhorar o acesso à informação sobre os serviços públicos prestados em Angola.

O Júri da edição 2018-2019 atribuiu ainda o prémio Destaque Feminino à concorrente Destaque Feminino: Projecto de saneamento “ÊME ELE Menos Lixo” de Juliana Margarida. “Uma aplicação on-line que promove a interacção entre agentes de produção de resíduos sólidos, reutilização e reciclagem”. “ÊME ELE Menos Lixo”, que promove a interacção entre agentes de produção de resíduos sólidos, reutilização e reciclagem, feita a partir de um mercado online onde se troca, vende, compra e doam-se artigos.

Os vencedores receberão ajuda financeira em moeda nacional, acompanhamento profissional por intermédio de uma incubadora de empresas, além de uma campanha de comunicação para dar visibilidade aos seus projectos. O prémio «Destaque Feminino» inclui também uma viagem a Paris (França) para uma interacção com jovens empreendedores.

O corpo de júri foi composto por profissionais de diversas áreas de actividade: Vanda de Oliveira – Directora Geral da Bantu Makers (Presidente do Júri); Olivier Jouny – Director Geral da Total E&P Angola; Patrícia Claverie – Directora do Bloco 32 da Total E&P Angola; Lesliana Pereira – Actriz e apresentadora de televisão, L Produções; Hélder Catombela – Assistente de Gestão de Cliente Kixicrédito; Pedro Beirão – PCA da Appy Saúde; Maria Carolina Silva – Directora da World Vision; Avelino Kiampuku – Chefe do Departamento de Gestão do Ministério das Finanças; João da Cruz – Adjunto do Director Financeiro da Total E&P Angola; Cláudio Silva – Analista da KPMG; Joel Epalanga – Director da Kianda Hub; Samora Kitumba – Administrador do INAPEM.

O Concurso Startupper do Ano da Total é organizado simultaneamente em 55 países, dos quais 37 em Africa, 11 na Ásia, Pacífico e Médio-Oriente, 4 na América e 3 na Europa. O concurso reitera a intenção da Total de apoiar o desenvolvimento socio-económico dos países onde o Grupo está implantado, contribuindo localmente para o reforço do tecido social, por intermédio do apoio prestado aos empreendedores mais inovadores, para a realização dos seus projectos.

A edição 2018-2019 do Startupper do Ano da Total em Angola teve como Embaixador do concurso, o PCA e Fundador do TUPUCA, Erickson Mvezi, e contou com mais de 1000 projectos inscritos, que foram submetidos a várias etapas de selecção, até se chegar aos vencedores.

Presente em Angola desde 1953, a Total E&P Angola é o primeiro operador de petróleo no País, produzindo aproximadamente 600 mil barris de petróleo por dia, o que representa cerca de 40% da produção angolana.

No offshore profundo, a Total é operadora do Bloco 17, com 40% de participação, uma aventura industrial e humana singular, de desenvolvimentos que fixaram parâmetros de referência na indústria petrolífera mundial, com a operação dos FPSOs2 Girassol, Dália, Pazflor e CLOV. O Bloco 32 também operado pela Total com 30% de participação iniciou a produção de petróleo em Julho de 2018 através do FPSO Kaombo Norte. O FPSO Kaombo Sul entrará em produção no segundo trimestre de 2019.

A Total opera dois blocos em fase de pré-desenvolvimento, o Bloco 16 (65%) e o Bloco 17/06 (30%) e detém participações em activos operados por terceiros, nomeadamente nos Blocos 14 (20%), Bloco 0 (10%), Lianzi (10% na unitização com a República do Congo) e Angola LNG (13.6%).

No offshore ultra-profundo, a Total celebrou em 2018 um Contrato de Prestação de Serviços de Risco com a Sonangol no âmbito da licença de exploração do Bloco 48, onde a perfuração do primeiro poço de exploração está prevista para o ano em curso.

A Total está também presente no sector de aprovisionamento e distribuição de produtos derivados de petróleo e noutros ramos da actividade petrolífera. Em 2018 inaugurou o primeiro posto de abastecimento de combustível em Angola, resultante de um acordo quadro entre a Total e a Sonangol, com a criação de uma “joint-venture” para desenvolver uma rede de mais de 40 estações de serviço em 10 províncias do País.

A Total tem um grande compromisso com o desenvolvimento da sociedade angolana, e em particular com a juventude estabelecendo compromissos nas áreas da educação, formação profissional e desporto. Nesta parceria, entre os diversos programas financiados pela Total, destacam-se os Liceus Eiffel, as 4 escolas públicas do II° ciclo construídas nas províncias do Cunene, Cuanza Norte, Bengo e Malange, pelos quais a Total foi distinguida com o prémio Sírius na categoria de investimento social. Ao nível do desporto, a Total apoia a Selecção Angolana de Andebol Feminino.

A Total é uma empresa integrada de produção e comercialização de combustíveis, gás natural e electricidade com baixo teor de carbono. Os seus 100.000 colaboradores estão comprometidos com uma energia melhor, mais segura, mais limpa e acessível ao maior número de pessoas. Presente em mais de 130 países, a sua ambição é tornar-se o principal líder da energia responsável.

Partilhe este artigo